A equipa da Ultramarina, campeã regional de São Nicolau, ameaça falhar terça-feira, o jogo das meias-finais do nacional de futebol, no seu reduto, com o Mindelense, por discordar dos adiamentos da Federação Cabo-verdina de Futebol (FCF).


Inicialmente agendada para sábado, 24, a partida foi adiada para domingo, tendo, entretanto, conhecida uma nova prorrogação, desta feita para esta terça-feira, 27, tudo isto relacionado com dificuldade dos tetra-campeões de Cabo Verde do Clube Sportivo Mindelense em colocar todos os seus convocados na ilha de São Nicolau.
Ao que se sabe, o grosso da comitiva do Mindelense chegou a ilha de São Nicolau a meio da semana passada, uma outra parte só conseguiu desembarcar no destino no sábado, com escala na ilha do Sal, enquanto uma outra parte continua ainda na Cidade da Praia à espera do voo para a “Ilha de Chiquinho”.
Ao reagir ao segundo adiamento deste jogo, a direcção da Ultramarina fez saber que não vai comparecer ao embate de terça-feira, alegando mesmo desconhecer qualquer posição oficial da FCF.
A direcção, liderada por Simone Soares, decidiu entretanto, reunir-se esta segunda-feira para uma tomada de posição final, numa altura em que a empresa SUCLA já tornou público que não irá libertar os seus trabalhadores, enquanto jogadores da Ultramarina para este jogo, no período laborar.
A direcção da equipa oriunda do Tarrafal de São Nicolau pretende fazer uma análise profunda sobre esta decisão da FCF para se inteirar da fundamentação destes sucessivos adiamentos deste jogo que continua envolto em polémica.
A Binter já tornou público um comunicado no qual justifica o cancelamento dos seus voos para São Nicolau com a redução da pista de 30 para 23 metros de largura.
No outro jogo da primeira mão das meias finais, realizada sábado, na cidade do Porto Novo, a Académica local e o Sporting da Praia empataram uma bola.
Fonte: Inforpress