A direcção do Futebol Clube Ultramarina, São Nicolau, contesta o processo a que foi instaurado pela Federação Cabo-verdiana de Futebol sobre a não realização do jogo da primeira mão das meias-finais e pede a sua nulidade e arquivamento.


O FC Ultramarina fundamenta que não  houve qualquer deliberação do Conselho de Disciplina como órgão colectivo, por entender que a presidente deste órgão foi quem, sozinha,  instauração o processo disciplinar em causa.
Cumprindo o “time” estipulado para recorrer do procedimento instaurado no imbróglio do embate que não se chegou a ser disputado ante o Mindelense,  cita o artigo 8 do regulamento federativo para ressalvar que ” responsabilidade da organização dos jogos é única e exclusiva da FCF”.
“Atribuir uma responsabilidade à Ultramarina, que não lhe compete, ou melhor dizendo, que não está no âmbito das suas tarefas desportivas, é tentar “sacudir a água do capote” e atirar as culpas a quem não é devido, com efeito”, lê-se nesta contestação.
Culpa a FCF pela chegada faseada do Mindelense a São Nicolau, alegando que não se programou devidamente a viagem, mas que o clube caseiro  “fez tudo para jogar, inclusive permitiu o adiamento da data inicialmente marcada, e que mesmo sem dispensa de alguns jogadores compareceu a meio de semana com o mínimo de jogadores permitidos pela FIFA”.
Os advogados da formação de São Nicolau, Armindo Soares Gomes e Samira Soares, querem que “sejam solicitados relatórios escritos ao Binter e a TACV sobre as ligações São Vicente/Praia/São Nicolau e São Vicente/Sal/São Nicolau nas datas constantes dos voos apontados na acusação,  e responsabilidade dessas companhias aéreas ou de terceiros nesse processo.
Nesta defesa, o Ultramarina “mostra-se indignada  com o peso das acusações que sobre ela impendem” e define-se como uma “equipa séria2, que sempre cumpriu as regras vigentes dos regulamentos da Associação Regional de Futebol de São Nicolau, e da FCF, “com empenho, esforço, dedicação e amor ao futebol”.
De entre outros argumentos, alega que a Câmara Municipal, enquanto proprietária do Estádio Orlando Rodrigues não foi notificada desse jogo.
Refira-se no jogo da segunda mão, entretanto efectuada sem que a primeira  tivesse sido realizada, o Futebol Clube Ultramarina venceu o Mindelense, em São Vicente, por 0-2.
A primeira mão das meias-finais foi adiada pela FCF em uma semana, para o dia 15, para que a segunda mão da final fosse disputada a 22 do corrente no Estádio da Várzea.
O Sporting da Praia já tem o seu lugar assegurado na final da edição 2017/18, ao eliminar a Académica do Porto Novo com vitória por 1-0 na Várzea, após empate a uma bola em Santo Antão.
Fonte: Inforpress