O resultado do encontro sábado na Cidade da Praia convocado pela direcção da Federação Cabo-verdiana de Futebol, envolvendo as equipas do Mindelense, Ultramarina, Sporting da Praia e respectivas associações regionais está “confuso” e envolto em polémica.


O presidente da FCF, Victor Osório, assegura que as partes chegaram a um consenso e que ficou acertado refazer as meias-finais entre Ultramarina e Mindelense, possivelmente para o próximo final de semana, desde que haja condições para viagens aéreas.
Para Osório “foi uma reunião normal de trabalho, tranquila… Os clubes trouxeram os seus posicionamentos oficiais na pessoa dos seus representantes. A Federação vai avançar com aquilo que tinha sido a decisão anunciada, a realização da eliminatória e marcar os jogos das meias-finais para esta semana”.
A FCF vai fazer com que os regulamentos sejam cumpridos no sentido das associações sejam responsabilizadas pela organização dos jogos em detrimento dos clubes e para evitar que a federação volte a ser “apanhada de surpresa” no caso de chave de portões do estádio Orlando Rodrigues.
Já o presidente da Associação Regional de Futebol de Santiago Sul, de que o Sporting da Praia é filiado (único finalista já conhecido), contesta o posicionamento da FCF com o argumento que nem o Mindelense nem a Ultramarina comprometeram-se jogar as duas partidas das meias finais.
Para Mário Donnay Avelino o encontro de sábado ficou inconclusivo e nada ficou decidido, alegando que o Mindelense continua “intransigente e disponível” para jogar apenas a final, ao passo que o Futebol Clube Ultramarina recusa jogar a segunda mão das meias-finais e disponível para jogar apenas a primeira mão.
Segundo Donnay Avelino, tudo está a depender da marcação dos jogos pela FCF, com o argumento que “pode haver surpresa ou não” e que a FCF “ameaça mesmo punir as equipas com penas que podem terminar com a descida de divisão” e que todas as associações presentes se mostraram que “nada tem a ver com o caso criado pela FCF”.
Tanto o Mindelense como a Ultramarina prometem reagir à imprensa esta manhã, sobre o encontro de sábado, no qual o Mindelense esteve representado pelo vice-presidente João Carlos Silva, o Sporting da Praia, por Rui Évora, e o FC Ultramarina pelo advogado Armindo Gomes.
O Nacional de Futebol edição 2016/17 encontra-se envolto em polémica com o Sporting da Praia apurado para a final desde 1º de Julho à espera do segundo finalista a sair da segunda meia-final entre a Ultramarina e Mindelense.
A Ultramarina recusa a voltar a jogar a segunda-mão da final, fazendo valer o resultado de 2-0 com que alcançou em São Vicente, uma imposição da FCF, sem que, entretanto, a primeira tivesse sido realizada, enquanto o Mindelense está intransigente em jogar apenas a final., numa altura em que a própria FCF decidiu prologar a época desportiva, oficialmente encerrada a 31 de Julho.
Fonte: Inforpress