A Federação Cabo-verdiana de Futebol aguarda pelo relatório da equipa de arbitragem do jogo das meias-finais do campeonato nacional, entre Ultramarina e Mindelense, que não se realizou no domingo, para o Conselho Jurisdicional (CJ) tomar uma decisão.


A informação foi avançada hoje à Inforpress pelo presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Victor Osório, sem avançar mais pormenores.
O Mindelense, como já tinha prometido, não compareceu ao jogo agendado para domingo, no Estádio Orlando Rodrigues, em Tarrafal de São Nicolau, alegando que não conseguiu reunir o número de atletas exigido.
A Ultramarina entrou em campo juntamente com a equipa de arbitragem para marcar “cover” e assim garantir a sua presença na final do campeonato nacional.
Enquanto isso, o Sporting da Praia, único finalista conhecido, continua aguardando pelo desfecho desse impasse.
Todo esse imbróglio se instalou porque o jogo da primeira mão não foi realizado no início de Junho, já que, depois de dois adiamentos, na terceira data prevista não apareceram as chaves para abrir os portões do estádio em São Nicolau.
Na sequência, a FCF instaurou um processo disciplinar à Ultramarina, mas o Conselho de Disciplina (CD) da FCF considerou “improcedente” a queixa, concluindo que não ficou provada que o clube teve intenção de esconder as chaves.
Por sua vez, o Mindelense também apresentou um recurso, mas o Conselho de Justiça da FCF negou provimento ao mesmo.
Entretanto, mesmo sem se realizar o jogo da primeira mão em São Nicolau, a FCF marcou o da segunda mão em São Vicente, em que Ultramarina venceu o Mindelense por 2-0.
Na semana passada, a federação anulou o jogo realizado e mandou repetir os dois jogos das meias-finais, prorrogando assim a época desportiva no arquipélago, que deveria terminar no dia 31 de Julho.
inforpress