Três meses após o árbitro Joseph Lamptey  ser banido do futebol por ter manipulado o resultado de África do Sul x Senegal, pelas eliminatórias africanas da Copa do Mundo de 2018, em 12 de novembro de 2016, a Fifa anunciou que o placar do jogo (vitória por 2 a 1 dos sul-africanos) foi anulado.


Com isso, a partida terá que ser jogada novamente em novembro deste ano.

"O Escritório de Eliminatórias da Copa do Mundo da Fifa ordenou que a partida de eliminatórias entre África do Sul e Senegal, originalmente disputada em 12 de novembro de 2016, seja jogada novamente. Essa decisão foi tomada depois que o TAS (Tribunal Arbitral do Esporte) confirmou a expulsão do árbitro Joseph Lamptey por manipulação de resultado", escreveu a Fifa, em comunicado.

"A partida será disputada em novembro de 2017, e a data exata será divulgada em breve", completou.

Com isso, a África do Sul perde os 3 pontos que havia conquistado na partida e fica com apenas 1 ponto, na lanterna do grupo D. Se vencer, retoma seus quatro pontos e permanece na briga por uma vaga no Mundial. Se perder, no entanto, despede-se de vez da briga.

Já para Senegal a notícia é ótima: se vencer os sul-africanos, a equipe passa Burkina-Faso e Cabo Verde, indo a 8 pontos e assumindo a ponta da chave.

Lamptey  foi declarado culpado de infringir o artigo 6, parágrafo 1, do Código Disciplinar - influenciar nos resultados transgredindo a ética.

Sua inabilitação o impedirá para sempre de participar de qualquer atividade relacionada com o futebol nos âmbitos nacional e internacional.

Após a disputa do jogo, em que a África do Sul venceu 2 a 1, a Federação Senegalesa pediu à CAF (Confederação Africana de Futebol) e à Fifa que investigassem a a atuação de Lamptey.

"Ele adotou decisões escandalosas a favor da seleção sul-africana", denunciaram os dirigentes senegaleses, que citaram pênaltis duvidosos e várias faltas não marcadas.

A CAF examinou o caso, e sua Comissão de Árbitros optou por suspender o ganês por três anos, o que o impediu de participar da Copa Africana de Nações, disputada em janeiro e fevereiro no Gabão. No entanto, a Fifa anunciou uma punição maior, banindo o juiz pelo resto da vida.
msn