A Associação de Futebol Sul-Africano (SAFA, na sigla em inglês)  vai receber  380 mil dólares como uma compensação da FIFA,   devido à repetição   do jogo com o Senegal,   a contar para o Grupo D das eliminatórias do Mundial´2018.


De acordo  com a imprensa senegalesa,   esse valor é equivalente  às despesas incorridas pela federação sul-africana, durante  o jogo  com o  Senegal, realizado a 12 de Novembro de 2016, partida em que  a África do Sul vencera por 2-1.
A Federação Internacional de Futebol (FIFA) confirmou na passada quinta-feira, 14, a repetição do jogo entre a África do Sul e o Senegal para o mês de Novembro, com a data exacta ainda por confirmar.
O organismo máximo do futebol mundial já tinha informado a repetição do jogo das duas selecções que fazem parte do grupo de Cabo Verde, relembrando que a sua Comissão de Disciplina tinha decidido em Março a irradiação do árbitro justamente por ter influenciado o resultado daquele jogo, em 12 de Novembro de 2016, com a vitória dos sul-africanos por 2-1.
Essa confirmação ocorreu depois de o Tribunal de Arbitragem para o Desporto (CAS) ter confirmado a influência no resultado por parte do árbitro do jogo, Joseph Lamptey.
Depois de analisar a ocorrência, inicialmente o CAS determinou a suspensão por três anos, mas posteriormente endureceu a mão e sentenciou a irradiação.
Com esta decisão, o Grupo D africano continua a ser comandado por Burkina Faso e Cabo Verde, com seis pontos em quatro jogos.
O Senegal soma cinco pontos, mas agora com um jogo a menos, e a África do Sul tem um ponto, em três jogos.
No entanto, a repetição do jogo entre a África do Sul e Senegal para o Mundial de futebol de 2018, pode complicar as contas da selecção de Cabo Verde e beneficiar os senegaleses em caso de vitória.
Isto porque, os Leões de Teranga, nome por que é conhecida a selecção do Senegal, passariam a somar oito pontos e liderar o grupo, com dois pontos a mais do que Cabo Verde e Burkina Faso, que somam seis pontos.
Inforpress