Depois de ter feito 31 jogos e dez golos em 2019/20, época em que se sagrou campeão nacional e conquistou a Taça de Portugal no FC Porto e de se ter despedido com a entrada em campo na receção ao Marítimo no dia 3 deste mês, Zé Luís regressou a Moscovo, agora para representar o Lokomotiv.

O avançado luso-cabo-verdiano jogara no Spartak, antes de se transferir para os dragões no verão de 2019, clube onde jogou quatro temporadas e onde fez 35 golos em 109 jogos.

Em entrevista ao jornal russo "Sport Express", Zé Luís abordou a passagem pelo FC Porto, respondendo com um expressivo "claro que não" em relação a um possível arrependimento por ter representado os dragões. "Aprendi muito nesta época, mas as coisas não saíram como eu gostaria. Eu contava com mais, então o clube e eu decidimos que o melhor era ir embora", explicou o ponta-de-lança que conta com com 19 internacionalizações e três golos pela Seleção de Cabo Verde.

O agora jogador do Lokomotiv analisou também nesta entrevista à publicação russa as razões que o fizeram passar de titular a suplente pouco utilizado. "Na verdade, no começo tudo estava ótimo. Fiz quase tudo, existem muitos fatores, por exemplo, lesões. Tive pequenos problemas no joelho, por causa deles parei por um tempo. O FC Porto é um grande clube, a competição é muito elevada e foi extremamente difícil regressar ao plantel", apontou.

Zé Luís indicou também por que razão escolheu o Lokomotiv. "Primeiro, é um grande clube. Em segundo lugar, joga na Liga dos Campeões e em terceiro lugar, Moscovo é a minha casa; amo esta cidade, conheço todos os cantos, por isso vou adaptar-me rápido", perspetivou, revelando que não vai viver sozinho em Moscovo. "Vou estar com o meu cachorro", contou.
ojogo