Hélder Ramos chegou a jogar pelo Benfica no Parque dos Príncipes. Agora trabalha num centro de distribuição, vende produtos naturais e ensina crianças a jogar futebol em Mansfield, Massachusetts.


Hélder Ramos era uma das grandes promessas do Benfica na viragem do milénio. Referência ofensiva nos escalões de formação do clube e internacional português dos sub-15 aos sub-20, o jovem que Chalana apelidou de «Romário da Luz» parecia talhado para o sucesso. Aliás, chegou a jogar pela equipa principal em pleno Parque dos Príncipes, mas acordou do sonho em 45 minutos.

Um par de meses mais tarde, no verão de 2002, Hélder Ramos avançou para a rescisão de contrato com o Benfica – a par de Jorge Ribeiro, Rui Baião e Pepa -, seguindo-se uma carreira nas divisões inferiores do futebol luso entre experiências pouco felizes em países como Grécia, Chipre e Suíça.

Aos 39 anos, afastado dos relvados desde 2012, a antiga promessa do futebol português está nos Estados Unidos da América, dedicando-se a uma nova vida. Trabalha diariamente num centro de distribuição de produtos alimentares e não-alimentares em Mansfield (Massachusetts), entre as 8h00 e as 16h30, vende produtos da Herbalife e ensina futebol a crianças norte-americanas.

«Terminei a carreira em 2012, ainda com 31 anos, por algum desencanto em relação ao futebol. Nessa altura estava num clube da Suíça, o La Tour-Le Pâquier, mas já sem aquela paixão. Tive de seguir em frente sem estar preparado, porque vive-se sempre muito o dia de hoje e nunca se está verdadeiramente preparado para o amanhã», começa por dizer, ao Maisfutebol.

Hélder Ramos sente que teve de aprender novamente a andar. Desta vez, sem ajuda: «Jogava futebol desde os 9 anos, não sabia fazer mais nada, e isso, claro, é como ensinar um bebé a andar. Vais tropeçar muitas vezes até te ergueres, naturalmente. Não foi fácil adaptar-me porque um jogador está habituado a ganhar três vezes o salário mínimo para trabalhar duas horas por dia.»

«Desde então, ainda estive em Portugal, a trabalhar como segurança num supermercado, a andar atrás das pessoas para evitar que roubassem coisas, mas aquilo não era a minha praia. Pelo meio, recebi um convite para vir para os Estados Unidos treinar miúdos, mas a parte burocrática revelou-se muito complicada. Tenho de tirar os cursos e esperar que a questão da documentação se resolva para treinar equipas, que é o meu objetivo», salienta o antigo jogador.

Enquanto tal não acontece, Hélder Ramos limita-se a dar «treinos ‘have fun’», sem competição, e vai experimentando todo o tipo de empregos disponibilizados por uma agência de trabalho temporário. Nesta altura, está num gigantesco centro de distribuição da Barrett, recebendo, preparando e despachando encomendas para os clientes: «Para além disso, sou supervisor da Herbalife, é um ramo interessante, porque está relacionado com o bem-estar físico, com treinos, com o nosso corpo, gosto bastante e até o Cristiano Ronaldo usa os produtos.»

«Rescindir com o Benfica foi a pior asneira que fiz na minha vida»

Para trás ficaram mais de 20 anos de carreira como jogador, um percurso vincadamente marcado pela ligação ao Benfica. «Eu era conhecido como o Romário da Luz, foram o Chalana e o José Morais que me começaram a chamar assim, porque ele era o meu grande ídolo e eu também conseguia marcar muitos golos em espaços curtos, como o Romário», recorda.

«Hoje em dia, os miúdos são muito mais vistos e têm todas as condições. Na nossa altura, não tínhamos essa visibilidade, só éramos conhecidos quando chegávamos à equipa A, e para além disso andávamos com a casa às costas. O Jota, por exemplo, já é conhecido há quanto tempo? Já toda a gente o viu jogar. Eu fiz toda a formação no Benfica, joguei em todas as seleções jovens e muitos se calhar nunca me viram», salienta.

O dia da estreia pela equipa principal do Benfica, num jogo particular frente ao Celta de Vigo, em pleno Parque dos Príncipes (Paris), ficou na memória: «Quando fui chamado estava aleijado, mas forcei a barra porque era um sonho que tinha. Tinham sido muito anos a trabalhar para aquilo e arrisquei. Correu mal e acabei por sair ao intervalo, porque de facto estava aleijado. Se fosse hoje, teria feito as coisas de forma diferente.»

Hélder Ramos jogou pelo Benfica no início de abril de 2002 e rescindiu contrato no início de julho, a par de outros atletas representados pelo empresário Paulo Barbosa. «Ele convenceu-nos a rescindir com o Benfica e foi a pior asneira que fiz na minha vida. Os anos no Benfica foram incríveis mas é preciso lembrar que o Benfica não era o que é hoje, era uma confusão, o Luís Filipe Vieira ainda estava a começar o trabalho que deu frutos anos mais tarde», frisa.

«O Pepa, o Rui Baião e o Jorge Ribeiro foram para o Varzim, eu ainda estive lá mas o caso estava a demorar a resolver-se, estava farto de esperar no hotel, chateei-me e pirei-me. Fui para o Sp. Braga, mas foi um choque para mim, não gostei de estar lá, estava habituado ao Benfica, a uma cultura de vitórias, a uma certa exigência que não encontrei ali», diz o antigo avançado, acrescentando: «Fui depois para o Felgueiras, da II Liga, com o Diamantino Miranda. Joguei mas não me pagavam. Seguiu-se o Oriental com o Chalana, que me conhecia. Entretanto surgiu um clube grego, mas deixaram de me pagar, passei-me e abandonei o clube. Arranjei um problema enorme, não me queriam libertar e por causa disso fiquei um ano sem jogar.»

Afastado dos relvados na temporada 2006/07, ainda com 25 anos, Hélder Ramos já tinha perdido o brilho que o acompanhara nos escalões de formação. Reparte culpas pelos falhanços na fase de afirmação e, na reta final da conversa com o Maisfutebol, resume em poucas palavras mais alguns anos de uma carreira pouco condizente com o seu potencial.

«Recomecei no Satão, na II Divisão B, ainda consegui recuperar, fiz golos e apareceu uma proposta de Chipre. Depois ainda joguei em outros clubes portugueses e terminei num clube da Suíça, o La Tour-Le Pâquier, mas já tinha perdido o entusiasmo, a paixão pelo futebol», remata o ex-avançado.
Maisfutebol