O Clube Desportivo São Pedro Apóstolo (CDSPA) e a Associação Desportiva Recreativa e de Voluntariado – Irmãos Unidos da Juventude (ADRV – IUJ) comunicaram à Associação Regional de Futebol de Santo Antão Norte que não pretendem participar nas competições oficiais da presente temporada.


Os dois clubes, que militam na segunda divisão da região desportiva de Santo Antão Norte, apontam dificuldades financeiras como causa da sua não participação nas competições oficiais desta época futebolística.
Num comunicado a que a Inforpress teve acesso, o São Pedro Apóstolo aponta razões logísticas e financeiras para essa tomada de decisão já que, neste momento, não dispõem “de nenhum campo de treino” porque o único de que dispunham, situado no leito da ribeira, foi destruído pelas últimas chuvas e “os outros locais de treino situam-se nas cidades da Ponta do Sol e da Ribeira Grande, mas não existem condições financeiras para essas deslocações”.
“Temos de custear as despesas de transporte para os jogos oficiais, que são altíssimas e ultrapassam os cem contos por época desportiva” diz o comunicado do CDSPA cujos dirigentes assumem que não têm condições para assumir os custos das deslocações para treinos, mas garantem que contam “estar aptos para participar nas próximas épocas desportivas, contribuindo para o desenvolvimento do desporto da nossa ilha de Santo Antão e de Cabo Verde em geral”.
O Clube Desportivo São Pedro Apóstolo vai ser gerido, este ano, por uma Comissão de Gestão já que o mandato da anterior direcção chegou ao fim e ninguém se candidatou para o lugar.
Por seu lado, a Associação Desportiva Recreativa e de Voluntariado – Irmãos Unidos da Juventude justifica que a sua decisão “advém de uma ponderada análise das difíceis condições financeiras que a ADRV–IUJ vive, no momento, estando com praticamente todos os compromissos financeiros da época transacta por saldar”.
A direcção da ADRV IUJ refere, numa carta dirigida à Associação Regional de Futebol de Santo Antão Norte, a que a Inforpress teve acesso, a “dificuldades materiais que não dignificam a nossa participação, como falta de equipamentos e outros minimamente necessários” e consideram que “tal situação é motivada, em grande parte, pela não assunção dos compromissos por parte da nossa maior parceira, a Câmara Municipal, que não tem disponibilizado os subsídios legalmente orçamentados”, conclui.
Com a saída destas duas equipas, o campeonato da segunda divisão, em Santo Antão Norte, vai ser disputado por apenas três equipas, o Rosariense, o Solpontense e o recém-fundado Torreense.
Fonte: Inforpress