Eviline Nadine Pereira Varela, Evy Pereira, ficará para sempre na história do futebol  feminino do SL Benfica.


A avançada/extrema começou na Escola de Preparação Integral de Futebol, EPIF, onde passou cerca de 10 anos.

Em 2014, foi campeã, melhor jogadora e melhor marcadora no Seven Stars.

Esses números não passaram despercebidos e viajou a mesma época para Portugal, onde assinou contrato com o Atlético Ouriense em Janeiro de 2015.

No ano seguinte (2016/17), transferiu-se para Valadares Gaia, onde conquistou uma Supertaça, depois de ter marcado 10 golos em 15 jogos.

Na temporada seguinte apontou 4 golos em 17 partidas pelo mesmo clube.

Estava ainda no Valadares Gaia quando recebeu um convite do Sport Lisboa e Benfica para fazer parte do ''Projecto SLBenficaFem'', a primeira equipa do futebol feminino do Benfica.

Foi a quinta jogadora contratada e oficializada pelo Clube, depois das brasileiras Dani Neuhaus e Daiane Rodrigues, e das portuguesas Carlota Cristo e Jassie Vasconcelos.

Foto oficial da primeira equipa de futebol feminino do Benfica

Um salto para o topo que, confessa, ainda não acredita.

“Sinto uma alegria enorme. É qualquer coisa que não sei explicar por palavras. É o clube do meu coração e posso realizar no clube que eu amo o que mais amo fazer: jogar futebol”, começou por reconhecer na altura, em declarações proferidas à Benfica TV (BTV).

“É mais do que o realizar de um sonho. Só por poder jogar futebol em Portugal já é o realizar de um sonho. Sou cabo-verdiana e lá não há muitas oportunidades para as meninas que querem jogar futebol. O facto de ter saído do meu país, estar cá para jogar futebol já é a realização de um sonho. Estar no Benfica é uma coisa mais do que especial. Aqui, no Benfica, prometo dar mais do que tudo. Dou sempre tudo, é algo meu. Poder fazer o que amo no clube que amo é a combinação de duas coisas numa só. Espero alcançar os objetivos do Clube, ajudar o Clube a conquistar títulos para os adeptos. Acho que tudo vai correr bem e vamos conseguir responder da melhor forma possível”, disse a atleta que tem como exemplo as jogadoras cabo-verdianas Pau, Tata e Lúcia Moniz.

Em outubro, depois de uma fratura no braço esquerdo, Evy Pereira, que ainda foi Tetracampeã de Cabo Verde, pelo Seven Stars, Tricampeã Regional de Santiago Sul, também pelo Seven, e campeã da Supertaça de Portugal pelo Valadares, enfrentou uma paragem forçada de quase três meses.

Regressada à competição, a avançada de 24 anos, já leva 24 golos em 7 jogos na Série D do Campeonato português da segunda divisão.

ADP