A direcção do Clube Juvenil Seven Stars anunciou a ausência da sua equipa feminina no Campeonato Nacional de Andebol 2016/17 e “pondera deixar de participar nos campeonatos regionais a partir desta época”.


Este é o teor do comunicado tornado público hoje pelo Clube Juvenil Seven Stars, vice-campeão de Santiago Sul, que se mostra agastada com a postura da Associação Regional de Santiago Sul e da Federação Cabo-verdiana de Andebol.
A direcção do Seven Stars aponta ainda “o clima de perseguição e guerrilha institucional instalada pelas ARASS e seus órgãos”, alegando que teimam em direccionar o andebol cabo-verdiano “para o caminho da discórdia e do maldizer” como fundamento para esta tomada de posição.
“ARASS ao invés de procurar melhorar a péssima qualidade do nosso andebol, prefere apostar na perseguição, na procura de toda a forma de acção disciplinar e por este caminho o nosso andebol estará definitivamente condenado”, lê-se nesta missiva.
O Seven Stars alega que em 40 anos do desporto nunca se viu tanta promiscuidade como aquela que existe esta época, e mostra-se revoltado pelo facto do seu treinador ter sido penalizado com oito jogos de suspensão.
Critica a postura da associação com o argumento de que, cita o comunicado, “assiste-se a jogadores entrarem em campo, insultarem os árbitros, insultarem a mesa e apanharem apenas três jogos de suspensão”.
O Seven Stars afirma que este clube está a trilhar caminhos no desporto desde 1977 em quatro modalidades, mas que a sua postura e forma de estar impede esta agremiação de colaborar neste tipo de provas, por considerar que quem de direito não assume as suas responsabilidades.
Outrossim o clube mostra o seu descontentamento pela forma como a Federação nacional da modalidade pretende repartir as despesas do nacional com os clubes, alegando que cabe a FCA a organização dos campeonatos nacionais
Fonte: Inforpress