As competições de andebol em Santo Antão estão suspensas, a partir de agora, por decisão da associação regional da modalidade, que alega “enormes dificuldades financeiras” para continuar com as provas nesta região desportiva.



O presidente da Associação Regional de Andebol de Santo Antão (ARASA), Abílio Gomes, através de uma carta enviada à Federação Cabo-verdiana de Andebol (FCA) e à Direcção-geral dos Desportos lembrou que esta região ainda não recebeu da federação as verbas referentes às épocas de 2016/2017 e 2017/2018, tendo, nesta altura, uma dívida que ultrapassa os 140 contos.

“Portanto, não dispomos de meios para dar seguimento ao plano de actividades, nomeadamente a realização dos jogos do campeonato sénior masculino e feminino”, informou Abílio Gomes.

A ARASA, segundo o líder associativo, tem enfrentando “enormes dificuldades financeiras” que resultam de “uma pesada herança da gestão anterior”, que não prestou contas de 2016/2017, tanto à FCA, como às câmaras municipais de Santo Antão.

Abílio Gomes, na carta, a que a Inforpress teve acesso, alertou que a ARASA encontra-se “numa situação de insolvência técnica”, pois não consegue liquidar as dívidas que tem para com os seus credores, nomeadamente com as viaturas que transportam as equipas entre os municípios.

Mesmo com “muito sacrifício” a ARASA conseguiu, esta temporada, realizar a primeira fase do campeonato regional masculino, o torneio Município de Ribeira Grande, o torneio de abertura e a primeira eliminatória da Taça Santo Antão, avançou.

A ARASA entende que “chegou a um ponto” em que foi obrigada a parar com todas as actividades desportivas nesta ilha “até que sejam criadas as condições financeiras para poder avançar”, ou seja, enquanto a ARASA não conseguir saldar a dívida (143 contos) com os credores.

Participam nas provas oficiais em Santo Antão, as equipas de Madrugadores e Marítimo (Porto Novo) e Super-estrelas (Ribeira Grande).
Inforpress