O Diretor-geral dos Desportos, Anildo Santos, felicitou nesta segunda-feira, a Federação Cabo-verdiana de Andebol (FCA), aproveitando a sua visita de trabalho àquela instituição, pelo feito inédito alcançado no Campeonato Africano de Andebol, realizado recentemente na Tunísia, onde Cabo Verde deixou uma boa imagem, qualificando-se para o Mundial de 2021, demonstrando trabalho e capacidade de superação.


“Apesar de ter havido alguns constrangimentos no processo de financiamento, o Ministério do Desporto/Direção Geral dos Desportos criou as condições, de acordo com as possibilidades do país, para a participação da FCA no CAN”, avançou o DGD para quem foi algo que não estava projetado.
Mas, conforme já havia garantido o Ministro do Desporto, em declarações à imprensa, irão ser criadas as condições para uma participação “digna” da seleção nacional de andebol no Mundial de 2021 a ser disputado no Egipto.
O encontro entre o DGD e o presidente da FCA foi ainda uma oportunidade para as duas partes abordarem sobre o balanço do ano findo relativo às atividades da modalidade e as perspetivas para este novo ano desportivo com destaque para a preparação para o Mundial de 2021.
Por sua vez, o presidente da FCA, Nelson Martins, agradeceu todo o apoio prestado pelo MD/DGD, salientando que a federação sentiu a proximidade destas entidades em 2019 e que foi através desse apoio que foi possível a sua participação no CAN e ter feito tal façanha.
“Sabemos que o Governo, através do MD/DGD, esteve muito próximo de nós e sabemos, igualmente, que nem sempre é possível financiar todas as atividades a que podemos participar, pois isso depende das reais condições do país”, realçou.
Relativamente ao balanço do ano 2019, Martins começou por enfatizar que é muito positivo, destacando além da conquista para o Mundial, a participação da modalidade nos sub-16 e sub-18 femininos, com resultados satisfatórios, os campeonatos femininos e o Campeonato das Nações feitos com sucesso.
Tudo isso aliado à realização ao nível da formação exclusivamente para mulheres no ano transato com o resultado de 37 formadas no Curso de Treinadores de nível I, Licença D, em representação de todas as regiões desportivas.
A única atividade que a FCA não conseguiu realizar até o final de 2019, segundo o dirigente, foi a Assembleia Geral, tendo sido realizado há poucos dias.
Enquanto perspetivas para o presente ano, Nelson Martins destacou a pretensão da modalidade participar já em março próximo, no Challenge Trophy sub-17 e sub-19 em masculinos no Mali, com o DGD a comprometer-se a submeter o projeto à avaliação do MD.
Outras perspetivas prendem-se com formações de Treinadores Nível II, Programa de Andebol das escolas (apesar de implicar custos diretos) e campeonatos nacionais (sénior e escalões de formação).
Em parceria com a Camara Municipal do Tarrafal (Santiago), a FCA prevê a implementação de um Programa de torneio de escalões abaixo de séniores, além de outro projeto designado DNSS, em parceria com o Comité Olímpico Cabo-verdiano, em que um especialista internacional deverá deslocar-se algumas vezes a Cabo Verde, durante um ano, para apoiar no desenvolvimento da modalidade.
Sobre a preparação para o Mundial, cujo o projeto já existe, o dirigente da FCA avançou que já se está a trabalhar para iniciar a sua execução, para que haja condições ideias para uma boa preparação. Nisso, realçou que existem mais jogadores que descobriram depois de estarem na Tunísia, como os que jogam em grandes equipas no mundo e que tem interesse de representar Cabo Verde.
Ficou assente nesta reunião de arbitragem, segundo Anildo Santos, tendo em conta as negociações para o contrato-programa com a FCA, a instituição deverá enviar o seu Relatório de contas e o Plano de Atividades para que se avance, o mais rápido possível, com a assinatura do contrato-programa.
DGD