“Acolhemos com grande entusiasmo e muita emoção a indicação do nome do Xílo para a votação do nome da mascote do andebol, afirmou Emília Fonseca, esposa do malogrado, acrescentado que “acredita que é uma coisa que se ele estivesse vivo estaria muito feliz”.



"Por isso, em nome de toda a família, agradeço a federação e a todos os intervenientes por este gesto, e dizer que esta fase em que o andebol está a passar é algo inédito e que todos os Cabo-verdianos devem apoiar.

Esperemos que tenham uma boa prestação. Estar no mundial já é uma conquista grande e, portanto, estão todos de parabéns", enfatizou Emília Fonseca

Lúcio de Afonseca Sousa Cruz, desportivamente conhecido por Xílo, era praticante da modalidade, onde fez toda a carreira como jogador, treinador e selecionador de andebol e carismático dinamizador desta modalidade no país.

Xilô, que assim é homenageado em mais um “gesto de carinho”, foi uma figura reconhecida nas lides do desporto, particularmente do andebol, sendo um treinador com um vasto conhecimento técnico, tendo treinado as equipas masculinas do Paiol, ABC, Seven Stars e Terra Branca, com as quais se sagrou, por várias vezes, campeão regional e nacional.

Segundo a esposa, o Xílo foi uma pessoa que fez muito pelo andebol em Cabo Verde enquanto atleta, treinador e amante do desporto cabo-verdiano. "Portanto, eu creio que esse gesto de carinho é reconhecimento por tudo aquilo que ele fez", concluí.
IDJ