Mais de uma centena de atletas disputam o título durante Campeonato Nacional de Karaté agendado para os dias 2 e 3 de Setembro, próximo, cuja competição decorre no polidesportivo da cidade de Espargos.


Promovido pela Associação de Karaté da Ilha do Sal (AKIS), em parceria com a federação nacional da modalidade, contando com o patrocínio da Câmara Municipal do Sal, cerca de 150 pessoas, entre atletas, dirigentes e árbitros, chegam à ilha turística, que pela primeira vez recebe campeonato nacional de artes marciais.
O evento que reúne equipas das diferentes ilhas do arquipélago, nomeadamente Santiago, Boa Vista, Fogo, Santo Antão, São Vicente, além do Sal, homenageia este ano duas figuras locais, Manuel António de Sousa Lobo, Patone, e Luís Monteiro Fortes, pela contribuição “incontornável” para o desenvolvimento da modalidade, conforme Daniel de Pina, presidente da AKIS.
Expectante e ao mesmo tempo confiante na potencialidade dos atletas salenses, Daniel de Pina, alvitra que ao longo dos anos a ilha tem conquistado no pódio “as melhores” classificações e desta vez, a competir em casa, a AKIS pretende manter a mesma performance através dos seus atletas na conquista das medalhas.
“O trabalho de preparação dos atletas tem sido árduo, não obstante a responsabilidade, de enquanto anfitriã, receber as outras seis delegações que deverão começar a chegar ao Sal, já no final deste mês”, exteriorizou Daniel de Pina.
O mestre em karaté, para quem, graças ao “incansável” trabalho da Federação Cabo-verdiana de Karaté e das associações regionais, a modalidade tem alcançado “excelentes” resultados no país, atletas têm elevado o nome de Cabo Verde, conquistando prémios em competições de alto nível e em eventos mundiais de artes marciais.
“O Campeonato Nacional de Karaté na ilha do Sal que irá contar com a presença de importantes nomes das artes marciais do mundo, representa uma oportunidade, não só para divulgar a modalidade que se pratica no país, mas também para colocar a ilha e Cabo Verde na boca do mundo”, manifestou o sensei Daniel de Pina.
Considerando a importância do evento, orçado em mais de quatro milhões de escudos, Daniel de Pina aproveita para apelar às empresas locais, instituições públicas e privadas, hotéis, no sentido de “serem sensíveis” à realização desta prova na ilha, dando seu apoio na medida do possível, por forma a permitir um bom acolhimento, a todos os níveis.
Inforpress