O karateca cabo-verdiano residente em Alemanha, Emanuel Bettencourt, penta-campeão do mundo em luta e tricampeão mundial de katá, vai organizar “brevemente” um grande estágio das artes marciais em Cabo Verde, nas disciplinas de karaté, taekwondo e kung-fu.


Graduado com oitavo dam em kung-fu, Emanuel Bettencourt, que se encontra em Cabo Verde depois de uma “longa ausência de três anos”, revelou que este evento vai contar com a parceria das escolas de Cabo Verde, ao mesmo tempo que anunciou a sua aposta em apostar no desporto cabo-verdiano, com abertura de escolas que envolvem as mais diferentes modalidades desportivas, independente das artes marciais.
Referenciado como um dos primeiros atletas a internacionalizar o desporto cabo-verdiano nos maiores eventos mundiais, quando nos inícios dos anos 90 formou a primeira selecção de karaté para o mundial de 1993 nos EUA, Bettencourt manifestou a sua satisfação por ser “a primeira personalidade desportiva cabo-verdiana” a dar o pontapé de saída para a ribalta do desporto deste arquipélago na arena internacional.
Proprietário do maior centro desportivo de artes marciais da Alemanha, sediada na cidade de Hamburgo, onde trabalha com praticantes das mais diversas disciplinas de artes marciais, envolvendo centenas de atletas de 45 nacionalidades dos diferentes continentes, Emanuel Bettencourt tem-se dedicado, igualmente, à área de cinema, uma vez que é sistematicamente contratado para coreografia de acção em filmes e teatros.
“Através do cinema, podemos ter grande publicidade e bom reconhecimento. É claro que incentiva mais os praticantes e os jovens na sua generalidade”, disse Bettencourt, que ministra a “maior escola e a mais diversificada em Alemanha, onde trabalha em todas as variantes das artes marciais, designadamente teakwondo, kung-fu, kikboxing, Jujutsu, judo, taebox, de entre outras, considerado “exemplo para outras escolas”
Explicou que a sua academia conta actualmente com uma grande cooperação com as demais escolas em Alemanha, com o propósito de divulgar as artes marciais enquanto “disciplina em matéria escolar, para o incentivo de valores”.
Com várias distinções da Federação Mundial de Karaté, este experiente praticante de artes marciais considerou nesta entrevista que em Cabo Verde pode-se praticar qualquer disciplina nas artes marcais, mas que recomendaria a aposta nas artes marciais tradicionais como taekwondo, karaté, kung-fú, associadas aos mais modernos, m como kikboxing, sem se deixar de fora o judo.
Mundialista de wen-hop-kuen-do, capoeira, kikboxing, esgrima, Emanuel Bettencourt disse que acompanha, com regularidade, o desenrolar das artes marciais em Cabo Verde, ressalvando mesmo que elas, de entre outros desportos individuais, são “sempre um grande veículo para publicitar Cabo Verde no mundo.
Na qualidade do padrinho de karaté, no âmbito dos I Jogos Africanos de Praia que decorre na ilha Sal, disse estar orgulhoso com o “grande desenvolvimento” do desporto cabo-verdiano.
Inforpress