A mãe da atleta olímpica Lidiane Lopes manifesta-se indignada com o abandono a que a filha foi votada em Portugal, pelo que apela à atribuição de uma bolsa “ao menos” para que ela se possa garantir-se lá fora.


Maria Gomes, conhecida por Duduca no meio salense, manifestou essa indignação perante o ministro do Desporto, Fernando Elísio Freire, que este fim este fim-de-semana esteve no Sal para inteirar-se da situação a nível do desporto na ilha,  reunir-se com dirigentes e agentes desportivos, também para apresentar a política do seu ministério para o sector.
Aproveitando a ocasião, Duduca explica que a razão da sua presença naquele encontro foi tão-somente para reclamar a situação em que Lidiane Lopes, atleta que representou Cabo Verde a esse nível em vários países do mundo, inclusive nos jogos Olímpicos no Brasil, vem passando, já que não tem dinheiro “nem para comprar um pão”, mormente passe de transporte público.
“A correr e correr para levar o nome de Cabo Verde além-fronteiras, entretanto nem dinheiro para comprar um pão, tem. Assim não dá. Cabo Verde estreia-se nos Jogos Olímpicos com Lidiane nos 100 metros. Estou a pedir que apoiem a minha filha com pelo menos uma bolsa para que ela possa ficar tranquila e não passar por dificuldades e problemas”, apelou Duduca.
Oficialmente atleta do Sport Lisboa e Benfica, Lidiane, que confirmou a informação na sua página oficial do Facebook, embora motivada para dar o seu melhor, não tem vencimento.
“Fico feliz por ela ser atleta velocista, ter representado o país em várias partes do mundo, na França, Brasil, Holanda, Inglaterra… mas agora em Portugal está abandonada, situação que me indigna e preocupa pelo que mais uma vez peço que se lhe beneficie com uma bolsa. Nhoss dan nhel valor (se lhe ê o devido valor) ”, pediu.
Redarguindo as inquietações da mãe de Lidiane Lopes e reconhecendo ao mesmo tempo a potencialidade da atleta, o titular da pasta do Desporto explicou que o ministro não tem competência técnica para tomar iniciativa no sentido da atribuição de um apoio financeiro à mesma, indicando, porém, os caminhos que se deverá seguir.
“Tem que ser a Federação de Atletismo a candidatar Lidiane como atleta de alto nível e de alta competição, junto do Comité Olímpico Internacional e da Bolsa Jovem para que possa ter acesso a essa bolsa”, explicou o governante.
Neste particular, o edil salense Júlio Lopes informou, no momento, que o problema da atleta cabo-verdiana “já está resolvido” tendo a câmara deliberado, conforme assegurou, um apoio financeiro à Lidiane, através da bolsa Jovem Atleta já que “está a contribuir” para a promoção de Cabo Verde.
Nos Jogos Olímpicos de 2016, no Brasil, Lidiane Lopes realizou a sua melhor prova de sempre e bateu o recorde nacional com o tempo de 12’38 segundos, ficando em 4º lugar na sua série, na prova dos 100 metros, tendo com efeito superado a sua anterior marca nacional – que era de 12’43 segundos.
Fonte: Inforpress