Cabo Verde vai correr no Grande Trail da Serra de D’Arga com 23 atletas, que estão a treinar intensamente com o objectivo de subir ao pódio numa das provas mais prestigiadas da modalidade em Portugal, que acontece em setembro.


Edna Lima, natural da ilha de Santo Antão, vai participar pela primeira vez no Trail da Serra D’Arga, prova de montanha organizada pelo ultramaratonista português Carlos Sá, entre 23 e 24 de Setembro.
Equipada a rigor, com mochila às costas e chapéu, Edna faz alongamentos antes de partir para mais um treino nos arredores da cidade da Praia com a equipa da Emicela Cabo Verde, que tem a chancela das Ilhas Canárias, e é constituída pelos melhores atletas cabo-verdianos.
De poucas palavras, Edna Lima, uma de duas atletas que vão correr em Portugal, disse à Lusa que a sua expetativa é fazer uma “boa prova” e ficar “entre os três primeiros” lugares.
Para a corredora, que vai participar nos 21 km, a presença de atletas no trail da Serra D’Arga é um “orgulho” para Cabo Verde e motiva outros corredores e treinarem mais para mais tarde também eles poderem participar em competições internacionais.
O objectivo de subir ao pódio foi também manifestado à agência Lusa por Joaquim Fortes, natural da ilha da Brava, que vai correr no trail pela terceira vez, tendo no ano passado se sagrado campeão nos 33 quilómetros.
“Este ano o meu objetivo é fazer uma boa prova, dar o meu máximo para defender o título conquistado no ano passado”, traçou.
Joaquim Fortes, um dos grandes nomes da modalidade em Cabo Verde, disse também que é “uma grande honra” participar nas provas internacionais, e o grande trail Serra D’Arga é uma das “com nome” em Portugal, organizada por Carlos Sá, que patrocina a ida dos atletas do país.
“O objectivo é apostar sempre nos atletas cabo-verdianos, que têm capacidade de representar o país e, mais uma vez, vamos com o objectivo de dar o nosso máximo para elevar o nome de Cabo Verde”, perspectivou o corredor.
Esta é a terceira vez seguida que Cabo Verde participa no Grande Trail da Serra D’Arga, desta vez com a maior comitiva de sempre, de atletas da equipa da Emicela, que realizam treinos quase todos os fins de semana na ilha de Santiago.
Em declarações à agência Lusa, o diretor da Emicela Team Cabo Verde, Orlandino Mascarenhas, um dos impulsionadores da modalidade no país, indicou que Cabo Verde vai levar uma delegação de 25 pessoas, que inclui ainda um jornalista e o chefe de missão.
O responsável considerou que a saída demonstra a dimensão que o trail está a tomar no país.
Orlandino Mascarenhas acredita que a equipa cabo-verdiana vai fazer uma “boa prestação”, e “o ideal” seria subir ao pódio “em três ou quatro” das especialidade, que são os 13, 21, 33 e 53 quilómetros em trilhos no Alto Minho.
O responsável salientou que o trail “cresceu” com a participação de Cabo Verde, que há três anos levou 11 atletas, subindo para 12 no ano passado e subiu oito vezes ao pódio.
Entretanto, salientou que este ano a prova vai ser mais competitiva, porque já despertou mais atenção em Portugal, estando neste momento com cerca de 20 países inscritos e quase toda a elite portuguesa vai correr.
“Mas o nosso objectivo de pódio ainda continua de pé”, traçou à Lusa, antes de mais um treino matinal nos trilhos do concelho da Praia.
Inforpress