A direção do Comité Paralimpico Cabo-verdiano na pessoa do presidente Rodrigo Bejarano está muito satisfeita com a qualificação dos dois super atletas do desporto adaptado crioulo. Márcio Fernandes e Gracelino Barbosa.



Para Rodrigo Bejarano, no caso do Márcio Fernandes é o atingir do topo e como cabo-verdiano sempre acreditou nas potencialidades de Márcio como atleta profissional patrocinado neste caso pela Caixa Económica de Cabo Verde e pelo governo de Cabo Verde.

A conquista do ouro no lançamento do dardo, estabeleceu um novo recorde africano. Para o nosso entrevistado, no desporto não há limites e Márcio não vai relaxar no sucesso, mas vai continuar a trabalhar para manter o nível até os Jogos Paralimpicos Rio 2016.

Foi um ano de sucessos e vitórias para Márcio. O atleta esta no pico de forma, mas agora há que preparar a participação no Rio 2016 e junto com o Comité Paralimpico Cabo-verdiano existe um plano de preparação a ser cumprido. O carinho e os aplausos são ótimos incentivos, mas a preparação exige outras condições para assegurar uma melhor performance.

O desporto de alto nível tem os seus percalços, Rodrigo relembra a lesão de Márcio nas costas durante os Jogos Africanos 2015 e é necessário ter garantias de forma a prevenir e ultrapassar situações do tipo e outros que possam aparecer neste quase um ano de preparação rumo ao Rio.

O caso de Gracelino Barbosa é bem diferente, embora esteja enquadrado no patamar de batalhador como Márcio Fernandes conclui Rodrigo Bejarano. Diferente por não ter ainda as condições financeiras ideais para uma preparação de alto nível. O comité tem feito os seus esforços para ajudar Gracelino a conseguir o que conseguiu. Por exemplo no Equador ganhou duas medalhas de ouro, relembra Bejarano.

Gracelino precisa de apoio financeiro que assegure tranquilidade em casa e concentração no seu trabalho que são os treinos. O velocista tem os mínimos e vai estar nos Jogos de Rio 2016 e Rodrigo espera grande apoio institucional do governo mas também de empresas para aderir a esses dois campeões e atletas de alto nível.

Cabo Verde participou em edições anteriores com wildcard, mas desta vez o país apresenta atletas de nível e provavelmente o convite será mais complicado para outros atletas. No entanto o Comité esta a mexer os cordeirinhos para levar pelo menos duas meninas para acompanhar os já qualificados Márcio Fernandes e Gracelino Barbosa.

Victor Hugo Fortes