Gracelino Barbosa quer apostar no desenvolvimento do desporto em Cabo Verde e, por isso, decide embarcar numa licenciatura em Desporto. Já com 35 anos, o atleta paralimpico cabo-verdiano começa a planificar o futuro e não perde de vista o país onde nasceu. Gracelino quer ajudar Cabo Verde e formar mais campeões.


Gracelino Barbosa tem um vasta experiência que foi acumulando durante vários anos em competições internacionais ao mais alto nível. O cabo-verdiano mais medalhado de sempre a nível internacional sente-se no dever de vir partilhar todo o seu conhecimento com os mais novos.

Há cerca de duas semanas, Gracelino Barbosa conquistou três medalhas, duas de ouro e uma de prata, nos mundiais de Atletismo de Pista Coberta para atletas paralímpicos. O tarrafalense que reside em Portugal, passou pela cidade da Praia onde esteve dois dias em compromissos comerciais.

Gracelino recordou o seu recente desempenho na Polonia e diz que a competição, embora não fosse qualificativa para as paraolimpíadas de Tóquio, foi mais um momento motivador para ele. Tóquio 2020 é um objectivo que praticamente está garantido, mas Gracelino não está obcecado. Hoje em dia, diz o atleta, encara o desporto de outra forma.

Recentemente Gracelino Barbosa criou uma Fundação que já começou a trabalhar para ajudar jovens a desenvolver o gosto pelo Desporto.

O atleta paralímpico lembra que para se começar a incutir esse gosto nas crianças, não é preciso ficar a espera de muitos recursos. E dá um exemplo, com base na sua experiência.

Gracelino Barbosa, em conversa com a RCV na cidade da Praia. Numa viagem fugaz de 2 dias esteve na capital do país, mas já está de regresso à Portugal, para dar inicio a uma licenciatura em Actividade Física e Desporto.
rtc