O concelho do Tarrafal (Ilha de Santiago) acolhe hoje o projecto Street Basket, do activista desportivo e professor de educação física António Rodriguez, que diz quer promover pelo mundo uma outra forma de jogar o basquete .


Depois de percorrer vários países da América, o espanhol António Rodriguez chega agora a Cabo Verde para promover o evento UBROOKLYN 3 X 3, através do programa África Total #54, em parceria com a Federação Cabo-verdiana de basquetebol e o antigo jogador de Basquete Victor Hugo Fortes (Vitocas), medalha de Bronze para Cabo Verde no Afrobasquete 2007.
Segundo o coordenador do projecto, António Rodriguez, que já esteve no concelho de Santa Catarina promover a mesma actividade, a intenção é conectar com as pessoas através do basquetebol e despertar nelas a paixão pela modalidade.
"É uma actividade emocional, com contacto com as pessoas. Neste desporto não há regras, podemos dançar, cantar e no final não há campeão, pois somos todos campeões e ao mesmo tempo somos artistas e educadores. Vamos improvisar durante o evento, que é uma verdadeira mistura de tudo", disse.
Para o organizador desta actividade em Cabo Verde, Victor Hugo Fortes, até agora as actividades têm ultrapassado as suas expectativas, pois a adesão dos atletas, dos jovens e das crianças tem sido "muito bom".
Segundo disse, em Assomada foi "espectacular", porque houve um maior envolvimento das pessoas que por lá passaram, que, segundo explicou, "paravam para ver o basquete de rua com batucadeiras e com artistas a cantar o rap".
No concelho do Tarrafal disse que as pessoas vão ver algo diferente daquilo que têm visto nos jogos de basquete.
"Vamos ter um basquete diferente, com animação, com música, onde vamos dançar e divertir, jogando basquetebol e passando mensagens de inclusão que o nosso amigo Tony quer trazer nessa sua viagem para a África. É um basquete diferente, não vamos jogar entre linhas, não temos regras. Pontuar não é só colocar a bola no cesto, mas há outras coisas que podemosfazer para marcar, não há árbitros para marcar faltas, por isso é um jogo livre", afirmou.
A organização pretende levar o projecto para 54 países africanos, através do VII Tour pelo Street Basquet.
Fonte: Inforpress