A nova Federação Cabo-verdiana de Basquetebol, encabeçada pelo ex-internacional cabo-verdiano, Mário “Marito” Correia, foi recebida esta tarde em reunião de arbitragem para o acerto do contrato-programa com a referida federação, tendo em conta que esta tomou posse muito recentemente, tratando-se do primeiro encontro entre as partes.


Entre as prioridades estão a realização das fases nacionais dos campeonatos nas diversas categorias, como ações de formação e outras em prol da promoção do basquetebol no país.
Um aspeto também abordado tem a ver com a eventual participação na fase final do Afrobasket, tendo o presidente da FCBB assumido esta pretensão e que, de fato Cabo Verde acionou a FIBA África no sentido de ser uma das beneficiadas com o convite para que a seleção A masculina esteja presente, mais uma vez, no Afrobasket, falhada a qualificação.
As duas vagas antes disponíveis foram já atribuídas ao Ruanda e à Guiné Conakry. Entretanto, uma reviravolta na situação, com a desistência do Congo-Brazzaville em organizar e sediar a prova, abriu-se uma terceira vaga, tendo em conta que o Congo só participaria na qualidade de anfitrião, ou seja, não conseguiu a qualificação pela via da competição.
Cabo Verde conta com fortes argumentos, nomeadamente o seu historial de participação no Afrobasket que inclui um terceiro lugar em 2007, em Angola, e a posição no ranking atual da FIBA, sendo a 12ª seleção melhor cotada no continente, inclusive, à frente da Guiné Conakry que garantiu a qualificação, graças ao terceiro lugar na fase de qualificação, precisamente no mesmo grupo de Cabo Verde, com a nossa seleção a terminar na quarta e ultima posição.
Outro argumento a favor da nossa seleção é a qualidade dos nossos jogadores e o fato de Edy Tavares estar atualmente nos Cleveland Cavaliers, campeões em título da NBA, ao lado de Lebron James, a estrela maior da modalidade.
Fonte: DGD