A FIBA África anunciou, na semana passada, a realização de um torneio entre os candidatos à terceira e ultima vaga ao Afrobasket 2017 que deveria ter sido atribuído através do convite (wild card), sendo Cabo Verde um dos candidatos à referida vaga, juntamente com Zimbábue, Chad e República Centro Africana, supostos adversários nesta eliminatória.


Porém, devido ao pouco tempo entre o anúncio e a realização da referida eliminatória, a Federação Cabo-verdiana de Basquetebol (FCBB) enviou uma carta à FIBA África a manifestar a sua vontade em participar e a sugerir, entretanto, a alteração do torneio para uma data mais apropriada, como nos transmitiu o próprio presidente da FCBB, Mário Correia, estando a FCBB a aguardar um posicionamento oficial da FIBA África.
Isto porque, na maioria dos campeonatos profissionais, sobretudo na Europa onde jogam a maioria dos internacionais cabo-verdianos, jogam-se as fases playoffs e finais, pelo que a seleção das Ilhas teria o mesmo problema, senão pior, da primeira eliminatória realizada em março em Bamako e Dakar, com a dispensa dos atletas pelos referidos clubes.
Para além disso, o provável selecionador, já que se está ainda em fase de negociações entre as partes para um acordo definitivo, Mané Trovoada, está neste momento envolvido com a sua equipa, o Recreativo de Libolo, nas finais do campeonato de Angola.
Outro fator nas negociações é o fato de a seleção, caso não se apure para o Afrobasket, poder ficar largo tempo inativa.
Sem contar que esta operação exigiria uma grande engenharia financeira e mais tempo para a sua planificação e possível identificação e definição de parcerias que pudessem permitir esta participação da seleção.
Correia lembra que, neste momento - tendo em conta que a nova gestão da FCBB apenas tomou posse recentemente, após as eleições que aconteceram em março ultimo- a Federação nem sequer assinou o contrato-programa com o MD/DGD que garante o financiamento da gestão corrente do ano desportivo 2016/2017.
Embora, frisa o presidente da FCBB, o torneio, por razões obvias não está contemplado neste contrato-programa, ou seja, não será por aí que estarão garantidas o financiamento desta possível participação da seleção nacional, com vista ao apuramento à fase final do Afrobasket.
“O presidente já fez a solicitação da alteração da data do torneio e aguardamos um posicionamento da FIBA África”, conclui Mascarenhas que concorda que o torneio seja a forma mais justa de apurar a última vaga para o Afrobasket 2017.
Algo que pode jogar a favor da vontade da FCBB, tem a ver com o fato de, até o momento não se ter definido o anfitrião desta fase final. Isso porque o Congo Brazzaville, que já havia assumido o compromisso, acabou por voltar atrás recentemente, fato que permitiu a abertura desta terceira vaga que estava destinada à seleção congolesa, enquanto anfitriã.
A acrescentar, as outras federações envolvidas terão, segundo nossas fontes, igualmente manifestado interesse na alteração o torneio para uma data posterior pelas mesmas razões que a FCBB.
Veja a notícia da FIBA do anuncio deste torneio de qualificação ao Afrobasket:
Fonte: DGD