O seleccionador de Cabo Verde de basquetebol, Emanuel Trovoada, orienta a II edição do “Campus Caça Talento” no polidesportivo do Bairro, num projecto que terá continuidade em Assomada, São Vicente e Santo Antão, para descoberta de novos talentos.


À Inforpress, Mané, como é também conhecido o seleccionador, explicou que esta iniciativa, que conta com basquetebolistas de diferentes clubes da capital, começou ano passado num projecto que envolveu internacionais como Rodrigo Mascarenhas, Mário Correia e Edy “Walter” Tavares, com o propósito de descobrir novos talentos que futuramente poderão reforçar a selecção nacional.
O “Campus Caça Talento” visa dotar os jovens praticantes de fundamentos de forma que sejam descobertos novos atletas promissores, à semelhança da edição do ano transacto que contribuiu para colocar alguns jogadores no basquetebol profissional.
A título de exemplo citou atletas como Jó (Santarém, Portugal), André (Benfica, Portugal) e Victor, jovem praticante de Santo Antão, que se encontra na Argentina, e afiança mesmo que procura nesta segunda edição quatro ou cinco novos talentos, de modo que futuramente possam reforçar o combinado nacional de Cabo Verde com jogadores de qualidades.
Para este “Campus Caça Talento”, Mané conta com os serviços de basquetebolistas internacionais de referência da actualidade cabo-verdiana como Ivan Almeida, Kevin Coronel e Michel Mendes, com quem incita os jovens praticantes a beberem nas suas experiências competitiva.
O “coach” fez questão de agradecer a parceria considerada importante em iniciativas do género, designadamente operadora Unitel, do vice-presidente da NBA, Mello, que promete juntar-se ao seu projecto no próximo ano com a vinda de dois técnicos, bem como a Associação Desportiva do Bairro que para além do espaço entrou com equipamentos e técnicos.
O Campus conta ainda com apoio de técnicos como Betinho, que recentemente levou o Palmarejo Bulls ao título de campeão de Cabo Verde em sub-18, e Mário Xinó, treinador campeão de Santiago Sul de basquetebol feminino em sub-16, pelo Bairro.
Terminado o Campus da Praia, Mané desloca-se a Cidade de Assomada de segunda a sexta-feira, tendo já alinhavado um jogo entre os jovens atletas que trabalham nos Campus da Praia e Assomada.
Da Assomada, Mané deslocar-se-á a São Vicente para dar continuidade ao projecto, para posteriormente dar seguimento ao Campus em Santo Antão, sempre com o grande objectivo de descobrir novos talentos.
Treinador do Libolo em Angola, Mané disse que este ano a sua equipa ganhou todas as competições internas como Campeonato, a Taça, a Supertaça e o Torneio de Abertura, tendo perdido a final da Liga dos Campeões Africanos por um único ponto, no Egipto, contra o Al-Ahly.
No meio do balanço da época nas mais diversas frentes, Mané lamenta o facto de não ter conseguido passar a selecção de Cabo Verde à eliminatória para o Afrobasket, mas disse ter sido gratificante estar a trabalhar com os seleccionados.
Considera que Cabo Verde tem grandes talentos, mas que resta uma boa organização que se exige a alta competição, para que no futuro possa contar os seus melhores jogadores nas provas internacionais.
Lamenta a falta com que atletas como Joel, Ivan e Jeff, enquanto mais-valia para a selecção, deixaram o combinado cabo-verdiano nesta competição.
Recorda que selecção do Senegal, de uma competição para outra, reforçou-se com oito jogadores, Mali foi buscar mais três profissionais, a Guiné Conacri mais cinco basquetebolistas, enquanto Cabo Verde, já desfalcada, perdeu mais um internacional, por ter sido chamado a apresentar-se ao seu clube.
Fonte: Inforpress