O seleccionador e coordenador nacional da Federação Cabo-verdiana de Basquetebol (FCB), Emanuel Trovoada, considerou hoje, em São Vicente, que o basquetebol 3×3 pode ajudar a recuperar o basquetebol feminino no arquipélago, um dos objectivos da FCB.


A declaração foi proferida no acto de lançamento oficial de uma formação de três dias para treinadores e monitores de basquetebol 3×3, iniciada hoje no Mindelo, e aberta a cerca de duas dezenas de participantes de todas as ilhas do arquipélago.
Inicialmente, a previsão apontava para a participação de formandos de todos os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mas tal não ocorreu devido a factores relacionados com problemas nas viagens de formandos daqueles países, segundo a organização.
Emanuel Trovoada referiu ainda que a responsabilidade com o lançamento da modalidade em Cabo Verde “é grande” atendendo ao desenvolvimento do basquetebol 3×3 no mundo e ao facto de se tratar já de uma modalidade olímpica, que se quer estendida as todas as ilhas.
Por isso, segundo Gerson Melo, na qualidade de coordenador do desporto da CPLP, a aposta na formação dos jovens praticantes e, sobretudo, apontou, nos recursos humanos que vão trabalhar com os jovens.
“Cabo Verde tem trabalhado bem nesta vertente”, apontou o responsável, que considerou a formação do Mindelo o primeiro passo de muitos outros que vão seguir, também em outras modalidades, indicou.
Gerson Melo aproveitou a oportunidade para lançar um desafio ao vereador de Desporto da Câmara Municipal de São Vicente, presente no acto, no sentido de criar as condições, “mesmo que seja nas ruas”, para a prática e o desenvolvimento do basquetebol 3×3, ao que Anildo de Jesus prometeu “tudo fazer” neste sentido.
A formação terá duas componentes, uma prática, no Centro de Estágio da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), e uma teórica, no pavilhão desportivo Oeiras, e será ministrada por Emanuel Trovoada, seleccionador e coordenador nacional da FCF, e pelo árbitro internacional Paulo Martinho.
Trata-se uma iniciativa conjunta da Conferência de Ministros da Juventude e Desportos da CPLP, do Ministério do Desporto, através da Direcção-Geral dos Desportos e da Federação Cabo-verdiana de Basquetebol.
Disputado numa quadra de dimensões reduzidas, o basquetebol 3×3 (disputada na metade de uma quadra tradicional) possui várias diferenças em relação ao desporto convencional e foi incluída como modalidade olímpica pelo Comité Olímpico Internacional (COI) em Junho de 2017.
Testado oficialmente pela primeira vez nos Jogos da Juventude em 2010, em Singapura, o basquetebol 3×3 foi popularizado em parques de diversos países, especialmente nos Estados Unidos.
É praticado numa quadra com metade do tamanho oficial de uma quadra de basquetebol, com apenas um cesto e três basquetebolistas por equipa.
Pode ser jogado em quadras fechadas, mas a versão mais comum é “outdoor”.
Inforpress