O atleta Willian Sander Tavares, que está a frequentar estudos universitários e a aprimorar as suas técnicas de basquetebol nos Estados Unidos, disse hoje à Inforpress que sente-se orgulhoso e quer seguir o exemplo do irmão Edy Tavares.


Willian Tavares, que se encontra de férias na ilha do Maio, seu torão natal, manifesta-se orgulhoso com as conquistas do irmão, principalmente neste momento em que ele está a representar o Real Madrid, onde foi distinguido como melhor defesa da Euro Liga.
Segundo este jovem atleta, neste momento, o seu ídolo no basquetebol é o irmão Edy, que iniciou uma carreira sem ter quem o orientasse na adolescência. “Tudo isto que está acontecer com ele é graças ao seu esforço e determinação para melhorar a performance a cada dia”, observou.
Referente ao seu início de percurso nesta modalidade, Willian Tavares partilhou que a sua prioridade é aprender, cada vez mais, as tácticas posicionais dentro do campo e em todas as posições, algo que a seu ver está a decorrer “muito bem” nos quadrantes do escalão onde actua, na Universidade de New York.
Além dos treinos, Willian Tavares está também a frequentar o primeiro ano de curso universitário. Diz que a sua integração tem sido “normal” e que é “muito acarinhado”, tanto pelos professores como pelos colegas.
De todo modo, afiançou que o seu objectivo é terminar os estudos superiores e depois seguir como profissional no basquetebol, de preferência da Europa, porque nos Estados Unidos, segundo ele, existe muita concorrência.
Questionado se pretende um dia representar a selecção nacional, Willian Tavares não descartou esta possibilidade, no entanto sublinhou que o seu foco, agora, é terminar os estudos universitários e depois perseguir como jogar profissional, fora do país, e só depois pensar nisso.
De todo o modo, o basquetebolista admitiu que “seria um grande prazer um dia poder jogar na selecção de Cabo Verde juntamente com o irmão”.
Willian Tavares informou ainda que tem aproveitado das férias na ilha do Maio para exercitar e ganhar mais musculação, assim como para divertir a jogar com os colegas.
No entanto, mostrou a sua “magoa” por ainda não existir nenhum clube ou escola na ilha que ministra a formação de basquetebol, embora admita que existe “muito interesse” por parte dos adolescentes.
“No Maio é preciso existir escolas de formação em todas as modalidades, para que cada um escolhe a modalidade que lhe mais agrada e que sente que tem vocação”, disse, apelando aos colegas a se esforçarem para poderem atingir os seus objectivos, convicto de que “tudo depende de nós”.
Inforpress