O campeão cabo-verdiano de boxe em -81 Kg, reclama do facto de ter ficado de fora da selecção nacional para o torneio olímpico qualificável para Tóquio’2020, mas o seleccionador nacional justifica com desconcentração e quebra de rendimento do atleta.



Sifonelo Borges foi um dos oito pugilistas que participou na pré-selecção nacional que durante praticamente um mês treinou no Centro de Estágio no Estádio Nacional, em Achada de São Filipe, para o Torneio Olímpico de Dakar Senegal, de qualificação para Tóquio’2020, mas ao ficar de fora dos quatro atletas seleccionados para Dakar, mostrou-se “inconformado” com a decisão da equipa técnica.

O facto deste campeão, internacional cabo-verdiano, ter sido preterido em detrimento de outros atletas, deixou Sifonelo Borges “revoltado” pelo que procurou a Inforpress para manifestar o seu desagrado, ao mesmo tempo que os seus apoiantes se têm recorrido às redes sociais para exigirem uma explicação da Federação.

Esta segunda-feira, no aeroporto Internacional da Praia Nelson Mandela, aquando da partida da comitiva da selecção nacional para Dakar, o seleccionador Adilson Varela, reconheceu que Sifonelo Borges é “um atleta muito humilde e tecnicamente bom”, mas que foi preterido pela equipa técnica “devido a alguns problemas por que passa o atleta”.

Disse que mais do que ninguém Sifonelo Borges poderá abrir o jogo sobre o momento por que passa, alegando que o atleta em causa tem sido afectado física e psicologicamente com resultados em quebra de ritmo e de rendimento nos treinos, assim como falta de garra e abandono dos treinos.

Professor de formação, Adilson Varela fez questão de solicitar apoio dos seus reais amigos e sobretudo psicológico para este internacional cabo-verdiano, como forma de superar as dificuldades e regressar à alta competição.

Afirmou que Cabo Verde vai com a moral alta porque parte numa altura em que o boxe atravessa o seu momento mais alto no país, pelo que promete trabalho de qualidade.

SR/ZS

Inforpress