O Ministério do Desporto (MD), através da Direção Geral dos Desportos (DGD), financia o projeto da construção da sede da Escola de Karaté da Capelinha/Tira-Chapéu, com o montante de três milhões de escudos.


Trata-se de um projeto ambicioso e que irá albergar, para além da escola de artes marciais nesta primeira fase, uma biblioteca, um espaço para ensino de dança e teatro e um espaço para uma escola de música no futuro.
Nesta terça-feira, ao final da tarde, o diretor geral do desporto (dgd), Anildo Santos, na companhia de vários técnicos da DGD, foi conhecer no terreno o projeto liderado pelo professor de karaté, Fernando “Djaló Almeida, e que tem trabalhado com crianças, adolescentes e jovens, na maioria do bairro de Tira-Chapéu, mas também dos bairros mais próximos.
Santos confirmou a assinatura de um protocolo com a Escola de Karaté da Capelinha/Tira-Chapéu, que irá disponibilizar três milhões de escudos (tês mil contos), para a conclusão do projeto da sede deste importante projeto social.
O contrato-programa entre as partes deverá ser assinado em breve, estando já garantido no Orçamento do Estado para 2017 este montante, afirmou o dgd.
“Perante um projeto com esta envergadura em termos sociais, o MD/DGD não poderia deixar de dar o seu contributo”, justifica o dgd.
É que desde há cinco anos a esta parte a escola, que tem funcionado no recinto da Escola EBI de Tira-Chapéu, tem abraçado, sobretudo, crianças em situações de risco, assim como adolescentes e jovens, muitos dos quais já haviam abandonado os estudos e outros, por vezes, engajados em comportamentos desviantes.
E graças ao trabalho desenvolvido por Djaló Fernandes, com o apoio dos pardinhos e madrinhas e amigos da Escola, o projeto já ajudou a reintegrar e recolocar na escola vários dos seus alunos.
A construção da sede que começou em agosto de 2015 é “um passo de gigante”, reconhece Djaló, que aproveita para agradecer o apoio da DGD e todos os parceiros e amigos do projeto.
Contudo, diz, “o nosso maior objetivo e a nossa maior obra é poder contribuir para a formação de cidadãos responsáveis e campeões da vida”.
Entretanto, Fernandes está ciente de que os três mil contos, apesar de muito importante, não serão suficientes para concluir o projeto com a próxima fase do piso superior com as outras valências acima referidas.
Para isso a Escola de Karaté Capelinha/Tira-Chapéu conta com a solidariedade dos cabo-verdianos nas Ilhas e na Diáspora e estarão a lançar uma campanha de angariação de fundos e a publicar um numero de uma conta bancária para quem quiser contribuir.
“Este é um projeto que irá beneficiar não só as crianças de Tira-Chapéu, um dos bairros mais problemáticos da cidade da Praia, mas as crianças de toda a cidade da Praia e cuja ambição é chegar, ou pelo menos estimular o surgimento de outras iniciativas idênticas em outros pontos do país.
Para além disso, este será um dos poucos espaços próprios para o desenvolvimento dos desportos combates, cientes do deficit em termos de infraestruturas para estas modalidades em Cabo Verde, razão pela qual uma das contrapartidas garantidas no protocolo com a DGD é de que o espaço venha a servir para acolher projetos e atividades ligados ao futuro centro de alto rendimento que deverá surgir da cooperação com a Cuba.
Fonte: DGD