Mindelo vai receber em Janeiro os II Campeonatos Nacionais Rápidas e Semi-rápidas de xadrez, nas vertentes individual e colectiva, ocasião que vai ser aproveitada para a realização do I Campeonato Nacional de equipas de partidas clássicas.


A informação é avançada pelo presidente da Federação Cabo-verdiana de Xadrez, FCK, Francisco Carapinha, para quem se trata de um campeonato inicialmente programado para a época passada e que a organização decidiu começar a nova temporada já em Janeiro, com esperança numa competição de nível para apurar a primeira equipa campeã de Cabo Verde de partidas clássicas.
Mindelo, explica, foi escolhido como palco destas competições, uma vez que serão cinco campeonatos a serem disputados num período de cinco dias e que, de acordo com a FCK, de estar muito próximo da organização, de forma a garantir a sua qualidade, não só da competição, mas também da organização.
A FCK, de acordo com o seu presidente, elege a continuidade do trabalho iniciado em 2016, ano da sua fundação, como a grande aposta para 2018, de modo a fazer com que Cabo Verde participe nas Olimpíadas de Xadrez, que se realizam na Geórgia, em Setembro de 2018.
Ainda assim disse que a casa ainda está em construção, pelo que pretende ir paulatinamente, para evitar dar passos errados e, se possível, introduzir outras competições em relação às realizadas na época passada.
A Federação Cabo-verdiana de Xadrez já conta com as associações filiadas de São Vicente, Santo Antão, Praia, Sal e São Nicolau, pelo que a direcção pretende, acima de tudo, cimentar estas cincos agremiações, do que a procura de novas, ainda que não descure a possibilidade de entrada de novas associações, caso haja manifestação de interesse das outras regiões do País.
Carapinha avançou que as associações de xadrez foram formadas com jogadores desta modalidade, mas que se pretende que as associações regionais sejam mais abrangentes, isto é, que englobem jogadores e clubes de xadrez, de forma a serem braço da Federação na própria região em que estão instaladas.
O líder desta que é das mais novas federações desportivas de Cabo Verde pretende mudar a filosofia da criação destas associações, alegando que todas foram criadas com um carinho pelos seus jogadores, mas alerta para a necessidade de novos conhecimentos inerentes a competições de xadrez federados.
Almeja melhorar o nível organizativo desta modalidade para que o xadrez possa vir a contar com verdadeiras associações regionais e não meras associações de jogadores de xadrez.
Inforpress