A presidente do Comité Olímpico Cabo-verdiano (COC) defendeu hoje a necessidade de haver “maiores investimentos” em recursos humanos especializados, capazes de responder aos desafios e demandas dos I Jogos Africanos de Praia, para o sucesso do evento.


Filomena Fortes fez estas declarações à imprensa à margem da primeira reunião da Comissão Técnica de Acompanhamento do Comité Organizador dos Jogos Africanos de Praia (COJAP), na Cidade da Praia, para apresentação e debate do plano director dos Jogos Africanos de Praia, a realizarem-se em Junho do próximo ano, na ilha do Sal.
A referida comissão conta com a presença de várias entidades, entre representantes de ministérios, federações desportivas, Comité Olímpico e Paralímpico, empresas e instituições, que irão fazer articulações para o melhor funcionamento de toda a estrutura que estará por trás da realização dos I Jogos Africanos de Praia.
A cerca de seis meses para a realização do evento, que considerou ser o “maior realizado” em Cabo Verde, revelou que os preparativos estão “um pouco atrasados”, tendo, entretanto, garantido que até ao arranque dos Jogos Africanos de Praia estarão reunidas todas as condições necessárias.
“Nos jogos dessa categoria no mínimo são 4 anos para serem organizados, houve questões externas, a divulgação dos jogos, o local que dificultou, mas já foram ultrapassadas”, disse, sublinhando que o mais importante é que existe boa vontade e envolvimento das pessoas e interessadas em dar seu impute dentro do seu sector para realização dos jogos que, sustentou, são de todos os cabo-verdianos.
Para a presidente da COC, desde o momento que Cabo Verde assumiu esse compromisso tem que estar preparado em todos os aspectos dado a importância do evento, que por outro lado ajuntou, será uma grande oportunidade do país afirmar o seu posicionamento enquanto realizador e receptor de eventos desportivos internacionais.
No que se refere ao financiamento para a realização do referido evento admitiu que o montante disponibilizado pelo Governo não é suficiente, salientando, entretanto, que os jogos não são do Governo, mas sim de todos os cabo-verdianos e que serão realizados em função das capacidades do país.
Os I Jogos Africanos de Praia contarão com a participação de 54 países do continente, aspecto esse que no entender de Filomena Fortes carecerá de um plano de acção eficaz no que se refere as questões relacionadas com os transportes aéreos visando garantir a tempo as viagens de todos atletas e comitivas.
Neste sentido, avançou que o Comité Organizador dos Jogos Africanos de Praia (COJAC) está em conversações com as operadoras nacionais no sentido de haver abertura de novas rotas aéreas, frisando neste quadro que deverá haver um trabalho de sinergias para o sucesso do evento.
“Os planos estão feitos, precisamos colocar todos os países de África em Cabo Verde, claro que a questão dos transportes é um grande constrangimento porque viajar dentro do continente africano é muito complicado, mas estamos a fazer de tudo para esta situação seja resolvida antes dos jogos”, adiantou, acrescentando que à semelhança do sector dos transportes estão a delinear estratégias para que todas as áreas de intervenção e de apoio tenham um plano de acção que dê respostas ao evento.
O evento, que se realiza de 14 a 23 de Junho de 2019 contará com a participação de 54 países do continente africano que disputarão as modalidades do atletismo, basquetebol3x3, andebol de praia, remo de costa, futebol e ténis de praia, voleibol de futebol Freestyle, karaté kata, kiteboarding, natação de águas abertas e serão aguardados cerca de mil atletas.
Os Jogos Africanos de Praia pretendem ser transversais aos sectores e mostrar o valor cultural de Cabo Verde nas suas mais diversas vertentes assumindo um papel a importante na dinamização do turismo cultural.
O evento tem também como mensagem a concretização de objectivos de sustentabilidade, pela redução de custos, promoção de reciclagem, reutilização e defesa do meio ambiente na utilização de materiais plásticos, além da inovação e inclusão social através do desporto.
Espera-se que os Jogos sejam seguidos por 300 milhões de espectadores das 54 nações, entre Brasil, Médio Oriente, Europa e Estados Unidos.
Cabo Verde ganhou a candidatura para organizar os I Jogos Africanos de Praia durante a 17ª sessão ordinária da assembleia-geral, realizada em Maio do ano transacto, em Djibuti.
Inforpress