Confederação Africana de Petanque quer trabalhar com DGD na massificação da modalidade em Cabo Verde.


O Diretor Geral do Desporto (DG), Anildo Santos, recebeu nesta manhã um enviado da Confederação Africana de Petanque (CAP) a Cabo Verde, o Sr. Toundé Iréné Yebadokpo, tendo como tema de conversa uma possível parceria entre as partes para a divulgação, organização e massificação de uma modalidade ainda com muito pouca expressão em Cabo Verde. Ambas as partes manifestaram vontade numa cooperação profícua, a começar pelo envio ao nosso país de um técnico especialista da CAP para formar futuros treinadores, monitores e praticantes.
Trata-se de uma modalidade pouco conhecida nas Ilhas, mas já com alguma disseminação em África onde no último campeonato continental participaram cerca de 19 países. Aliás, o Madagáscar, atual campeão africano, e o Benim, país onde está instalado o “quartel-general” da referida confederação, estão entre a elite da modalidade a nível mundial onde também figuram países como a França, o Taiwan e o Canadá.
“Pelo que já pude perceber do vosso país e da boa organização a nível geral estou seguro de que será possível fazermos um bom trabalho a médio prazo para organizar e consolidar a modalidade aqui”, elogia Yebadopko que sublinha a total disponibilidade da instituição que representa em apoiar e, mesmo conceber um plano para a massificação da modalidade. desde logo, diz, disponibilizando o diretor técnico ou outros técnicos da Confederação para ministrar formações no nosso país. Isso, contando, entretanto, “que Cabo Verde possa assegurar os aspetos logísticos”, sublinhou.
Anildo Santos agradeceu a disponibilidade demonstrada e manifestou todo o interesse em dinamizar um projeto no sentido, ora disposto, de lançar uma nova modalidade em Cabo Verde.
Isso, tendo em conta de que, excetuando pequenos grupos na capital, assim como em São Vicente e Santo Antão, a modalidade não existe em termos formais e tem, como já se fez menção, muito pouca expressão, como referiu Anildo Santos.
Aliás, um ponto assente neste encontro é de que qualquer iniciativa de massificação do Petanque terá de contar e aproveitar estes grupos como um “embrião” que poderá levar à criação de associações, num primeiro momento, e de uma federação à posteriori.
Mais importante, esta reunião abre um canal de comunicação e colaboração futura entre as duas partes.
DGD