O ministro do Desporto assegurou no fim dos jogos da primeira edição do Sal Beach Soccer Cup, que o Governo continuará empenhado em apoiar a realização desse tipo de acções para “afirmar o país cada vez mais no mundo”.


Fernando Elísio Freire, que assistiu a todos os jogos da primeira edição do Sal Beach Soccer Cup, evento que vinha decorrendo na ilha turística desde sexta-feira, e que terminou no domingo, regressou na manhã de hoje para a Cidade da Praia, “satisfeito” com a realização deste torneio no país.
“Cabo Verde afirmou-se no mundo, estamos agora no mapa do Beach Soccer. É isto que é importante (…) fazer do desporto uma fonte de rendimento e de reconhecimento do país. É uma aposta ganha, demonstramos que sabemos organizar… já há garantias da sua realização em 2017 e 2018. Queremos também trabalhar para termos os jogos do beach soccer dos outros países da CPLP”, almejou.   
O presidente da Câmara do Turismo de Cabo Verde, Gualberto do Rosário, por seu lado, defendeu que nas próximas edições a modalidade seja assumida pelas entidades desportivas nacionais, mas que “valeu a pena” a realização a primeira edição do Sal Beach Soccer Cup,.
“Vamos realizar este torneio em 2017 e em 2018, mas queremos que sejamos progressivamente substituídos pelas entidades desportivas, pela Federação Cabo-verdiana, pela Direcção-Geral dos Desportos, continuando a Câmara do Turismo a dar o seu apoio, obviamente, para o desenvolvimento deste tipo de modalidade”, sublinhou.
Promovida pela Câmara do Turismo, em parceria com a Beach Soccer, a primeira edição do Sal Beach Soccer Cup, teve duração de três dias no areal da praia da cidade turística de Santa Maria, com participação das selecções de Cabo Verde, Portugal, Espanha e Inglaterra.
A selecção portuguesa sagrou-se campeã, com nove pontos, a da Espanha ficou em segundo lugar, com seis pontos, Inglaterra com três, enquanto Cabo Verde não pontuou, “valendo a experiência ganha na modalidade” durante o torneio, segundo o treinador Pu Brito.
Fonte: Inforpress