O futebol cabo-verdiano está de luto! Faleceu a antiga glória do futebol Luís Bastos, aos 75 anos de idade.


Bastos foi referenciado por muitos como o “Rei” do futebol das Ilhas.

Na sua página do facebook, o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, lamenta o desaperecimento físico do grande mago da bola, o «Luigi», o nosso «Pélé», o grande ídolo da infância e da adolescência.

“Luís Bastos, a figura mítica do futebol, com a sua genialidade e os seus mistérios, com o seu perfume ímpar e também as suas «manias», mas, sobretudo, um jogador como muito poucos pôde ter Cabo Verde. “, refere Jorge Carlos Fonseca.

“Não terá potenciado tudo o que poderia ter oferecido e mostrado, por vezes por motivos aparentemente menores; mas igualmente o país, sobremaneira o país desportivo, não lhe reconheceu o que ele, na sua grandeza, mereceria.”, disse.

Fonseca lembra o tempo em que os miúdos brigavam para carregar as botas do “gênio da bola”.

“Eu que, na infância, era um de centenas de miúdos que brigavam para lhe carregar as botas até o Estádio da Várzea”,disse.

De referir que, no passado dia 05 de Julho, Luís Bastos recebeu a distinção da Medalha do II Grau da Ordem do Dragoeiro pelo Presidente da República, enquanto “maior futebolista cabo-verdiano de todos os tempos e grande glória do desporto”.

Ao longo da sua carreira futebolística, Luís Bastos  representou a equipas da Académica, Boavista, Sporting, Travadores e Vitória.

Teve uma passagem de um ano pelo Sport Lisboa e Benfica, na altura treinada por Bela Gutmam e numa equipa na qual prontificavam nomes soantes do futebol mundial como Eusébio e Coluna.