A organização do Beach Soccer Worldwide, que decorreu de sexta-feira a domingo, no areal da praia de Santa, na ilha do Sal, considerou que esta segunda edição do torneio “foi um êxito”.


“Foi um êxito, tal como esperávamos. As equipas são muito competitivas, os países que vieram representar tocam no coração das pessoas (…), o estádio esteve cheio todos os dias. Os cabo-verdianos realmente vibram com este desporto e com esta competição”, manifestou a directora da prova, Joana Soares.
Apesar da goleada de 12-3, a favor de Portugal no jogo com Cabo Verde, a responsável disse que a equipa cabo-verdiana surpreendeu, já que apresentou um nível “bastante elevado” comparado com a primeira edição, tendo também em conta o nível de preparação e de competições em África.
“O número de competições em África é inferior à Europa. Portugal tem a oportunidade de participar em muito mais competições, mas, ainda assim, Cabo Verde surpreendeu-nos muito. Têm que sair daqui muito orgulhosos porque fizeram um bom trabalho”, enfatizou.
Joana Soares defende que o apoio da Federação é “muito importante” para que o Beach Soccer, nesse caso concreto, possa crescer, a selecção dos “Tubarões Azuis” seja mais forte e possa participar também noutras competições, até mesmo internacionais.
Pú Brito, seleccionador de Cabo Verde da Beach Soccer, apesar de Cabo Verde ter ficado pelo caminho, considerou que a selecção cabo-verdiana teve boa participação.
“Demonstramos, pelo menos no primeiro e segundo jogos como deveria ser a nossa atitude. Infelizmente, não conseguimos cumprir o nosso plano de trabalho mas com vontade e espírito de sacrifício tivemos uma boa participação, embora com Portugal, uma equipa forte, foi um jogo complicado”, observou.
Pú, apela também ao Governo, a Câmara Municipal do Sal e todas as pessoas que abraçam a causa no sentido de ajudarem a selecção nacional nessa modalidade, a preparar-se atempadamente.
Mário Narciso, treinador da selecção de Portugal, era um homem “satisfeito e feliz” por mais esta vitória de Portugal.
Emídio Simões, director da prova, pela parte de Cabo Verde, a chorar de emoção, fez balanço positivo de mais esta edição do Sal Beach Soccer.
“Foi um sucesso, correu muito bem, não podemos parar. E, em termos de turismo, acho que a ilha do Sal e Cabo Verde vão ter uma projecção muito grande”, concluiu Emídio Simões.
O Sal Beach Soccer Cup 2017, promovido pela Câmara do Turismo em parceria com a Beach Soccer Worldwide, contou com a participação das selecções de Cabo Verde, Portugal, Inglaterra e Alemanha. A principal novidade desta edição foi a inclusão de uma prova para portadores de paralisia cerebral.
O torneio foi ganho por Portugal, que levou ainda os trofeus de melhor marcador e melhor jogador, seguido da Inglaterra, que arrecadou também o prémio de melhor guarda-redes. A Alemanha classificou-se na terceira posição e Cabo Verde no último lugar.
Fonte: Inforpress