O Tribunal da Comarca da Praia sentenciou a direcção da Federação Cabo-verdiana de Futebol, com pena de reintegração na mesma categoria e antiguidade e indemnização que poderá ultrapassar os 1500 contos ao ex-secretário-geral federativo, Adilson Gonçalves, pelo despedimento.


Segundo apurou a Inforpress, o tribunal argumenta “ilegalidade do despedimento feito pelo presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol, Victor Osório, “através de um despacho de cessação de funções emitido a 30 de Setembro de 2015.
A sentença é claro ao afirmar que caso Adilson Gonçalves não for reintegrado, a FCF fica obrigada a pagar-lhe uma indemnização de antiguidade correspondente a dois meses de salário por cada ano de serviço, afora o montante a volta dos 1500 contos.
Adilson Gonçalves iniciou as suas funções como secretário-geral da FCF em 2012, mas teve o seu contrato rescindido em Setembro de 2015, cinco meses após a eleição de Victor Osório para o cargo da FCF, enquanto substituto de Mário Semedo.
A decisão é passível de recurso.
Inforpress