A Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) reúne-se a 19 deste mês, na sua sede, na Cidade da Praia, em assembleia-geral extraordinária, convocada pelas associações regionais para analisar o momento por que passa o futebol nacional.


A mesa da assembleia-geral responde, assim, a solicitação de nove das 11 associações regionais filiadas, que, à luz dos estatutos da FCF, provocam esta assembleia, num momento conturbado por que passa o futebol cabo-verdiano, marcado pelo imbróglio sobre a final do campeonato de Cabo Verde em sénior masculino que permanece num longo impasse.
Ao que apurou a Inforpress, ao calendarizar a assembleia-geral extraordinária para o dia 19, a mesa cumpriu o prazo estipulado que vai em mínimo de cinco dias e máximo de 15 para a sua materialização.
As associações, mandatadas pelos clubes, querem “uma tomada de decisão face as conclusões chegadas” e “ainda analisar toda a situação do futebol nacional e a própria actuação da direcção da FCF, “para se chegar ao melhor caminho para o futebol cabo-verdiano”.
Para o presidente da Associação Regional de Futebol de Santiago Sul, um dos subscritores que formalizaram este pedido de assembleia-geral, “urge pôr cobro a toda esta desmanda da Federação para evitar que mais tarde o futebol cabo-verdiano colhe frutos muito mais drásticos”.
Mário “Donnay” Avelino considera que a direcção federativa encontra-se fragilizada psicologicamente e que “está sem condições para continuar a dirigir o futebol cabo-verdiano mergulhado em tantos conflitos em pouco tempo de actuação”.
O Nacional de Futebol 2016/17 encontra-se numa polémica que mantem incógnita o término do nacional, não obstante a prorrogação da época, com o Sporting da Praia, único finalista conhecido, à espera do impasse da outra meia-final entre a Ultramarina de São Nicolau e o Mindelense, de São Vicente.
Inforpress