A Comissão de Gestão da Federação Cabo-verdiana de Futebol vai recorrer ao Governo para subsidiar os dois jogos da selecção nacional com a África do Sul, de qualificação para o Mundial’2018, por “ter apenas encontrado 4.925 contos nos cofres”.


Esta revelação foi feita hoje à imprensa pelo presidente da Comissão de Gestão federativa, Mário “Donnay” Avelino após a sua equipa ter sido recebida pelo Presidente da República, tendo alertado que “não há dinheiro para a compra de passagens”, numa altura em que o País tem “compromissos imediatos e inadiáveis à volta do combinado nacional”.
Mário Donnay Avelino disse ter contactado o Chefe de Estado como o garante da Nação, de forma a ajudar na resolução de problemas por que passa o futebol cabo-verdiano, deixado pela equipa federativa destituída, como a final do campeonato de Cabo Verde e a eliminatória para o Campeonato Mundial com jogos a 1 e 5 de Setembro.
“Espero que tanto o Presidente da República como o Governo nos ajudem a resolver este grande problema. A selecção nacional joga a 1 de Setembro no Estádio Nacional e parte logo no dia seguinte para a África do Sul e não temos passagem ainda para Praia/Dakar/África do Sul/Praia”, explica Donnay Avelino, por entender tratar-se de um problema do País.
Ao exibir o extracto de contas da FCF, a Comissão de Gestão fez questão de ressalvar que só para o aluguer do voo charter para colocar a equipa da Ultramarina na Cidade da Praia para o jogo da final terá de desembolsar quase dois milhões de escudos, pelo que não vê outras soluções para a materialização dos próximos compromissos.
Disse mesmo que o futebol cabo-verdiano deu um “grande passo” com a destituição da equipa federativa cessante e promete avançar com uma sindicância para apurar as responsabilidades sobre os mais de 70 mil contos geridos pela equipa cessante em dois anos e quatro meses de mandato da equipa de Victor Osório.
Entende que o dinheiro de Estado tem de ser gerido com “a maior transparência possível” e que caberá às autoridades com responsabilidades nesta área apurar sobre a gestão do seu antecessor.
Ainda assim, assegura que a selecção nacional vai mesmo jogar os dois jogos e incita a toda a população de Cabo Verde, sobretudo de Santiago Sul a se unir à volta da selecção e a encher o Estádio Nacional no 1º de Setembro, avançando desde já que reduziu o preço dos bilhetes para permitir mais adesão dos espectadores.
Inforpress