Os novos órgãos sociais da Federação Cabo-verdiana de Futebol, eleito sábado, 28, em assembleia geral extraordinária vão ser empossados este sábado, 4, em cerimónia a realizar-se na sede federativa, pelas 11.00.


A equipa directiva liderada por Mário Semedo, que volta a presidir a FCF, cargo que ocupara ao longo de 16 anos, vai ser oficializada para gerir o destino do futebol cabo-verdiano nos próximos quatro anos.
A equipa de Mário Semedo venceu o pleito eleitoral com sete votos favoráveis contra quatro  do seu opositor nessa corrida, o presidente da Associação Regional de Futebol de Santiago Sul, Mário “Donnay” Avelino.
De volta á presidência da FCF, Mário Semedo considera que no passado houve investimentos fortes a nível da selecção, pelo que entende ser fundamental um novo modelo do Campeonato Nacional, virado para aposta nas provas a nível de futebol dos escalões de formação e a formação no seu todo, na dignificação do futebol feminino.
Manifesta a determinação em criar um espaço competitivo de transição de júnior para sénior com a realização do campeonato nacional nesta faixa etária e garante o reforço das verbas às associações regionais.
Quanto à selecção nacional, promete traçar um plano de modernização, reestruturação e da sua reorganização, alegando que Cabo Verde dispõe, neste momento, de um conjunto de jogadores jovens que poderão ser trabalhados na perspectiva de integrarem, no mais curto espaço de tempo, os “Tubarões Azuis”.
Promete introduzir medidas correctivas para que a federação possa estar ao nível daquilo que o País exige neste momento e mostra-se convicto na sua nova equipa de trabalho para alcançar desafios que considera extremamente interessantes para ultrapassar todas as dificuldades.
Aos amantes do futebol promete “muito trabalho” de imediato, e traça como prioridade o fecho das contas da gestão anterior, por considerar que “há verbas que estão bloqueadas” e que a FCF terá de trabalhar para que as contas sejam fechadas, apresentadas e aprovadas o mais breve possível para que se possa desbloquear a situação financeira desta instituição.
Entretanto, há informações segundo as quais Mário “Donnay” Avelino não se conforma com o resultado desse escrutínio e vai solicitar a anulação da assembleia-geral com efeito suspensivo imediato, alegando ingerência externa e falta de transparência no processo eleitoral.
Inforpress