Seis árbitros da Região Desportiva de Santiago Sul receberam hoje as insígnias da FIFA’2018, num universo de dez de árbitros internacionais com que o país passa a contar no organismo que superintende o futebol mundial.


Evandra Furtado, Manuel Timas, José Carlos Semedo, Fabrício Duarte, Luís Barbosa e Hélio Semedo foram todos reconduzidos como árbitros internacionais da FIFA, em cerimónia realizada na tarde de hoje sob a presidente do líder federativo, Mário Semedo.
Os restantes árbitros que continuam a patentear os estandartes da FIFA, António Rodrigues (Sal), Ary Santos e Lenine Delgado (Santo Antão) e Wilson Fernandes (São Vicente) serão agraciados este domingo, durante os jogos dos seus campeonatos regionais.
O líder federativo, Mário Semedo, disse que Cabo Verde deve valorizar muito este reconhecimento da FIFA aos árbitros internacionais cabo-verdianos, sobretudo neste momento no qual este organismo internacional tem estado, cada vez, mais rigoroso para com a arbitragem, pelo que considerou o momento como de grande responsabilidade.
Semedo aproveitou a ocasião para criticar “algumas ocorrências que em nada abona a arbitragem mundial”, ressalvando que hoje mais do que nunca ser um árbitro internacional implica mais responsabilidade, já que os holofotes estão todos ligados à classe.
Mário Semedo fez questão de alertar que os árbitros não podem dar as pessoas as possibilidades de falarem mal da arbitragem, por entender que assim como o futebol esta classe vive da sua imagem, pelo que avisou que todo o comportamento social de um árbitro, mesmo fora do campo, conta para o juízo do seu valor.
Mostrou-se, igualmente, preocupado com “cenas nada felizes, durante a campanha para a FCF, com comportamentos que em nada abona o futebol”, pelo que apela para uma mudança da imagem do futebol cabo-verdiano, ao mesmo tempo que rejeita veemente o comportamento de alguns dirigentes na ameaça dos árbitros.
O presidente do Conselho Nacional de Arbitragem, Nelson Barbosa, disse a Inforpress que se trata de um gesto de reconhecimento em como o país tem juízes capacitados para representarem o país nas provas internacionais e augurou votos para que 2018 seja um ano de muitos jogos e de muitos sucessos.
Lamenta, entretanto, o facto de alguns dos árbitros, outrora internacionais como Alcídia Tavares e Irani não virem renovadas as suas inscrições, sem qualquer explicação prévia.
Barbosa promete trabalhar afincadamente com a nova direcção da Federação Cabo-verdiana de Futebol no sentido de fazer tudo o que estiver ao alcance para mudar o rumo da arbitragem cabo-verdiana.
Inforpress