O Presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol, Mário Semedo, foi referenciado num esquema de corrupção da Confederação Africana de Futebol (CAF).


De acordo com a denúncia feita por Amr Fahmy, secretário-geral demissionário da CAF, em que a agencia Reuters teve acesso, por ordem de Ahmad Ahmad, Presidente do organismo que rege o futebol africano, 20 mil dólares foram depositados, através de uma transferência eletrónica feita da sede da instituição no Cairo, Egito, nas contas pessoais de alguns presidentes de federações africanas de futebol, incluindo o presidente da FCF e da Federação da Tanzânia.

Mais, Amr Fahmy acusa o Presidente da CAF de lezar o organismo de um valor de mais ou menos 830 mil dólares na compra de equipamentos via uma companhia francesa de nome Tactical Steel e ainda de gastar mais de 400 mil dólares em compras viaturas em Egito e Madagascar.

Amr Fahmy acusa ainda Ahmad Ahmad, que desempenha também a função de vice-presidente da FIFA, de assédio sexual contra quatro funcionárias da CAF.

Ainda nem o presidente da CAF, nem o presidente da FCF se pronunciaram sobre a denúncia.
ADP