O antigo futebolista internacional holandês que se destacou no Barcelona (Espanha) e do AJAX (Holanda) Johan Neeskens incita a prática do futebol de formação/competitivo desde a tenra idade em Cabo Verde para que o país singre na esfera mundial.


Considerado uma das maiores referências do futebol holandês, Johan Neeskens, que integrou a famosa selecção “Laranja Mecânica”, do mítico Johan Cruyff, fez essas considerações esta manhã à imprensa por ocasião da abertura do II “World Coaches Course”, enquanto monitor da Federação Holandesa de Futebol (KNVB), que decorre no Estádio Nacional.
Com um histórico de 500 jogos que resultaram em 116 golos na sua carreira, marcada por dois vice-campeões do mundo pela Holanda, três “Champions League” de entre vários títulos europeus, Johan Neeskens, 67 anos, dedicou-se à pratica do futebol profissional ao mais alto nível de 1968 a 1991, tendo deixado a sua marca internacional.
Neeskens disse que vai inspirar na sua larga experiência competitiva aliada à sua vasta carreira de treinador, para transmitir os seus ensinamentos aos novos treinadores cabo-verdianos, por considerar “muito importante estar com os formandos durante uma semana para partilhar os ensinamentos e ideia de trabalhar com jovens de diferentes idades”.
Afirmou que é muito importante que cada treinador conheça de antemão o tipo de treinador que pretende ser, alegando que na Holanda, país considerado como “das melhoras escolas do futebol do mundo”, prima-se pelo futebol ofensivo, dotado de muita técnica e que, a seu ver, pode ser perfeitamente adaptado ao futebol cabo-verdiano.
Explicou que o futebol holandês começa a ser praticado pelas crianças nas escolas de formação desde os seus cinco/seis anos, com intenso ritmo de treinos a meio de semana e competição no final-de-semana, o que fizeram da Holanda uma verdadeira escola de campeões.
Explicou que ao longo dos seus 23 anos como treinador de diferentes clubes e países como NEC (Holanda), Barcelona (Espanha), Galatasaray (Turquia), Sundowns (África do Sul) e FC Baar e Zug 94 (ambas da Suíça), tem percorrido o mundo para partilhar conhecimentos e destacou a importância do programa  “Wold Couche”, alegando que permitiu-lhe nos últimos sete anos levar o futebol para 30 diferentes países.
Promete avaliar as qualidades dos técnicos em formação e ajudar-lhes a atingir as qualidades e sucessos, afirmando de antemão ser imprescindível dedicar a careira do treinador “com toda a seriedade, disciplina dentro e fora da competição”, para “ensinar bem” sem qualquer discriminação de raça, religião, ou nível social.
A título de exemplo enumerou figuras mundiais com que trabalhou, enquanto treinador do Barcelona, designadamente Lionel Messi, Ronaldinho Gaúcho, Xavi, Iniesta, Puyol, de entre vários outros.
Ao longo da sua carreira como futebolista, Johan Neeskens, conquistou a nível internacional três Liga dos Campeões (1070/71, 1971-72 e 1972/73), uma Taça Intercontinental (1972), uma Supertaça Europeia (1973), uma Taça das Taças (1978/79), aos quais se juntam uma Copa del Rei (Espanha, 1977/78), dois campeonatos da Holanda (Eredevise, 1971/72 e 1972/73), dois KNVB Beker (Taça Holanda) e duas North American Soccer League (EUA).
Inforpress