Gianni Infantino, presidente da FIFA que faz esta segunda-feira 50 anos, deu uma entrevista em que abordou o impacto do coronavírus no mundo do futebol.

O dirigente garantiu que o desporto só voltará a ser jogado em condições completas de segurança de saúde e até deu sugestões para aproveitar este momento de forma a reorganizar o calendário competitivo.

«É preciso estudar o impacto global desta crise. Agora é difícil, não sabemos quando vai voltar a normalidade, mas vamos olhar para as oportunidades.

Talvez possamos reformular o futebol mundial dando um passo atrás, com formatos diferentes, menos torneios, mas mais interessantes», disse, em entrevista à La Gazzetta dello Sport.

«Talvez menos equipas, mas mais igualadas. Menos partidas para proteger a saúde dos jogadores, mas mais igualadas. Não é ficção científica, é preciso calcular os danos e ver como os vamos cobrir», completou.

Sobre o regresso dos campeonatos, o presidente da FIFA pediu paciência e articulação entre os órgãos desportivos e políticos dos vários países.

«Primeiro a saúde e depois o resto. Vamos jogar quando for possível, sem pôr em risco a saúde de ninguém. As Federações e as Ligas devem seguir as recomendações dos governos», avisou.

lusa