A seleccionadora de futebol feminino de Cabo Verde, Silvéria Nédio, defende mais competições na categoria para que as “meninas” possam estar melhor preparadas e com “futebol nas pernas” para os jogos da selecção.


“Temos campeonatos séniores masculinos de primeira e segunda divisões que já vão na 8ª e 10ª jornadas. Mas ainda nem foi mencionado quando vai começar o campeonato do futebol feminino”, desabafou Nita Nédio em entrevista à Inforpress.
Para esta timoneira “é pouco” o número de jogos realizados pelas equipas femininas antes do nacional, pelo que defende a necessidade de haver, pelo menos, um torneio de abertura.
Aliás, para Nita Nédio, seria uma vantagem se as “meninas” jogassem mais. “Isso afecta o desempenho da selecção feminina. Porque são meninas que fizeram dois jogos que vão para a selecção. Mas na selecção não há tempo para fazer todos os exercícios”, prosseguiu.
A mesma fonte frisou que todas as selecções do mundo costumam se reunir em uma semana, tempo que, segundo disse, não é suficiente para trabalhar o físico, a prática, a técnica, conhecer os jogadores e fazer o modelo de jogo.
“Nos pensávamos que o campeonato regional ia começar agora e que as meninas iriam fazer, por exemplo, uma prova de três voltas. Se tiver seis equipas, fariam seis jogos, iriam ao nacional com mais futebol nas pernas”, frisou.
Nita Nédio lamenta o facto de não haver uma planificação do campeonato feminino, o que no seu entender, “dificulta o trabalho, desde o início. “Não sabemos se o campeonato vai começar em Fevereiro, Março, ou outro mês…”, exemplificou.
Questionada sobre as responsabilidades pelo facto de não haver mais jogos do feminino, a selecionadora nacional aponta o dedo às associações regionais de futebol, quem, segundo disse, deve realizar provas.
“Mas também as câmaras municipais e as pessoas que fazem torneios de zonas têm que fazer incluir as meninas. Elas agora fazem torneios nas placas, querem jogar, mas no futebol de 11 ninguém está a fazer”, acrescentou.
Nita Nédio reconhece, entretanto, que os campos relvados estão “condicionados” já que os clubes da primeira e segunda divisão têm estado a treinar nestes espaços porque têm que jogar o campeonato.
Inforpress