A Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) decidiu adiar para 09 de Fevereiro a homenagem da primeira participação de sempre da selecção de Cabo Verde numa fase final do Campeonato Africano das Nações, CAN’2013, em África do Sul.


Inicialmente agendado para 19 do corrente, para coincidir com o quinto aniversário do baptismo de Cabo Verde no CAN, empate com a África do Sul no solo sul-africano, a homenagem teve de ser adiada, devido a visita do presidente da Confederação Africana de Futebol (CAF), Cabo Verde.
O presidente da FCF, Mário Semedo, disse que a ocasião vai ser aproveitada para distinguir esta efeméride enquanto “um momento alto do futebol cabo-verdiano” por ter marcado a primeira participação de Cabo Verde na montra maior do futebol africano e ainda mais ante a África do Sul, na qualidade do país anfitrião da Copa d’África’2013.
Conforme referiu, é de toda a justiça reconhecer e homenagear este grupo de trabalho, isto é, jogadores “staff”, equipa técnica, mas também todas as pessoas e instituições que contribuíram para o êxito da participação cabo-verdiana no CAN’2013.
Pretende-se, com esta homenagem simbólica, atribuir um diploma de reconhecimento e confecção de alguns produtos de “marchandise” alusivas a esse facto, de forma a reconhecer e agradecer a todos que dignificaram a prestação de Cabo Verde nessa prova.
Na sua primeira participação de sempre numa fase final do CAN, 29ª edição, Cabo Verde dividiu o grupo A com os anfitriões dos sul-africanos, Marrocos e Angola, tendo se qualificado para quartos-de-finais, cujo acesso à meia final foi perdida para o combinado nacional do Gana, num penalti polémico que ditou a passagem dos ganeses.
Segundo Mário Semedo, a ocasião irá servir também para recuperar o ambiente, a cultura e a amizade do grupo que se vivia nessa altura, considerados elementos importantes para o sucesso dos “Tubarões Azuis”, nome por que é conhecida a selecção de Cabo Verde.
Acredita, também, que esta homenagem contribuirá, grandemente, para recuperar o prestigio da selecção de Cabo Verde de futebol, numa altura em que a nova equipa saída da última assembleia-geral electiva se encontra “a arrumar a casa e a inteirar-se dos dossiês existentes, para que se possa arrancar com toda a força em 2018”.
Entretanto, Mário Semedo foi adiantando que em 2018, a FCF tem pela frente vários desafios e compromissos, pelo que a direcção terá de tomar decisões o mais rápido possível “para não pôr em causa o futuro da selecção nacional de Cabo Verde”.
Inforpress