O seleccionador cabo-verdiano de futebol almeja superar as contrariedades da última hora, marcadas por lesão de alguns jogadores chaves da lista dos convocados, com uma vitória já esta sexta-feira, frente a Tanzânia, no seu regresso ao Estádio Nacional.


No arranque dos treinos, esta tarde, no relvado do Estádio Nacional, para o duplo compromisso com a Tanzânia, Rui Águas prometeu apresentar uma equipa motivada, com olhos postos na vitória, ante um jogo que diz ser “super-importante” para Cabo Verde, pelo que espera contar com o apoio do público da casa.
Considerou normais os problemas físicos “aqui e ali” que têm afastados alguns futebolistas do lote dos convocados, mas sublinhou que o combinado nacional tem de adaptar-se às novas realidades e que a Cabo Verde só tem de contar com os disponíveis para ganhar o seu jogo.
“Estou tranquilo em relação a isso. Não pensamos nos problemas, pensamos nas soluções, e é isto que é o nosso trabalho”, ressalva o timoneiro, admitindo, entretanto, que “quanto mais em cima da hora as lesões mais complicam”.
Adiantou, porém, que a selecção terá de ir para a frente, com as soluções que tiver de preparar o embate.
Quanto ao seu regresso ao Estádio Nacional, onde Rui Águas nunca perdeu ao serviço da selecção nacional, afiançou que tem “excelentes recordações dos jogos realizados aqui em casa”, pelo que espera que as pessoas voltem a apoiar a equipa, com muita intervenção “de muita categoria”, com a sua força grande.
Sobre os novos jogadores convocados, sobretudo os do escalão sub-17, explicou que “faz parte de uma política de Cabo Verde que continua a ter muito talento e muito jovem que continua a sonhar com algo mais”, cuja a vivência desta nova realidade possa servir de bom sinal, alento e motivação para os outros jovens jogadores.
“Não vou dizer que estes miúdos vão resolver os nossos problemas. Não vão, mas vêm viver uma experiência e mostrar os seus colegas que ficaram nos seus colegas”, sintetiza Rui Águas, que “tinha as ideias avançadas em alguma rotação para os dois jogos com a Tanzânia, num espaço de quatro dias”, mas que se sente praticamente obrigado “a reajustar a situação em função dos problemas”.
Referiu a Tanzânia com uma equipa que merece respeito, agravado com a “sempre difícil viagem” para este país “que tem alguns jogadores de valores, que estão a ser analisados pela selecção nacional de Cabo Verde, com respeito”, alertando, contudo , que não adianta pensar no segundo jogo se não se debruçar na vitória do jogo desta sexta-feira.
Cabo Verde e Tanzânia defrontam-se sexta-feira, 12, no Estádio Nacional, na Cidade da Praia, em jogo referente a terceira jornada do Grupo L de qualificação para o Campeonato Africano das Nações, CAN’19, para quatro dias depois voltarem a medir a s forças, desta feita em Dar el Salam, em partida da quarta e antepenúltima jornada deste grupo.
A selecção nacional de Uganda lidera o grupo, com quatro pontos, seguida da Tanzânia e Lesoto, com dois pontos cada, ao passo que Cabo Verde está posicionado no último lugar, com um ponto.
Inforpress