“Não Vamos Parar” -  reage o presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Victor Osório, à notícia veiculada pelo jornal A Nação que dá conta de que o seleccionador nacional Rui Águas está de saída do commando da Selecção Nacional de Futebol depois de ter acumulado sete meses de salário em atraso.


“De repente, sem que motivos houvesse, a FCF está a ser atacada por questões que não nasceram agora e que sob a nossa gestão estão a ser tratadas, porque foi para isso que fomos eleitos.” , disse Victor Osório na sua pàgina de facebook.

“Como não há resultados desportivos negativos que permitam atacar o nosso trabalho na FCF, e as reformas internas e estruturantes seguem como planeadas, a opção é lançar falsidades, inventando situações de mau relacionamento com entidades parceiras, como o Governo e FPF. Fazer dos atrasos salariais do seleccionador um motivo de ataque à FCF e, directamente a nossa gestão, é actuar com falta de seriedade, e ter memória curta, pois basta investigar e perguntar para ficar a saber que essa situação reporta-se ao inicio das relações com o mesmo, depende de terceiros, sendo que, infelizmente, assenta em acordos verbais, não formais que dificultam a sua gestão.” , continuou o dirigente.

“Não vamos distrair com essas tentativas de tentar estragar o trabalho feito e a ser feito. Sabemos onde queremos chegar e vamos chegar lá, porque sabemos que os caboverdianos esperam isso e apoiam isso.”, concluiu.