Os problemas salariais com o seleccionador nacional, Rui Águas, estão a ser resolvidos normalmente pelo que não há motivos para alarme.

A garantia é do presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Vítor Osório. Apesar de estar a seis meses sem salário, o presidente da FCF reconhece que o mais importante neste processo é que as questões sejam "encaradas e resolvidas".

"Houve situações pontuais salariais que estão a ser resolvidas com normalidade. Não há motivos para grande alarido. São coisas normais. A situação ocorreu em função de várias circunstâncias que não interessa, por questões éticas, serem tornadas públicas", afirmou o dirigente federativo à Lusa.

Vítor Osório garantiu ainda que "o treinador não sai" e que as notícias veiculadas na comunicação dando a saída do técnico não correspondem a verdade, reforçando a ideia de que "o Rui Águas é o nosso seleccionador e assim vai continuar".

Quanto ao alegado desentendimento entre a Federação Cabo-verdiana de Futebol e a Federação Portuguesa de Futebol, Vítor Osório assegura que "não existe". "Existem excelentes relações que já vêem do passado e que continuam. São situações privilegiadas que vamos manter", finaliza o presidente da FCF.

Por seu lado, a Ministra da Educação e Desporto, Fernanda Marques, que deu garantias, na semana passada, que o Governo "não deixará cair" o trabalho feito pela selecção de futebol. Neste sentido a governante lembrou que "as leis internacionais de gestão do futebol impedem qualquer interferência dos governos em relação às federações nacionais", postura que o executivo pretende manter, mas informou que a Direcção Geral dos Desportos e a FCF estavam em contacto sobre a questão.
Fonte: asemana