Segundo o maisfutebol, a Federação Portuguesa de futebol (FPF) rejeita ter acordado com a sua congênere cabo-verdiana que iria pagar o salário do selecionador Rui Águas e do seu assistente Bruno Romão.


“A federação lusa «não tem, nem teve qualquer acordo com a federação de Cabo Verde para pagar salário de nenhum selecionador, seja Rui Águas ou outro qualquer.”, disse uma fonte da FPF ao jornal desportivo.

A FPF conversou com Cabo Verde e São Tomé sobre a possibilidade de estabelecer um protocolo de cooperação com os países. «Nesse ambito (e só nesse), a FPF enviou a Cabo Verde, em 2015, o diretor técnico Silveira Ramos para conhecer a realidade». O responsável «produziu um relatório e a situação está nesse ponto», adiantou a mesma fonte.

Rui Águas renunciou ao cargo de selecionador dos Tubarões azuis devido a 8 meses de salários em atraso.

O presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol responsabilizou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, a federação portuguesa pelo atraso no pagamento de 78 mil euros em salários a Rui Águas e ao seu adjunto.

O Prof. Felisberto Cardoso, conhecido no meio desportivo por Beto, foi nomeado o novo selecionador nacional de futebol.

fonte:maisfutebol