Futebol: Carlos Morais (Caloichi) acusa equipa técnica da Seleção Nacional e FCF de promover Kelvin Pires em troca de favores


O ex-internacional cabo-vediano, Carlos Morais, conhecido por Caloichi, acusou a equipa técnica da Seleção Nacional e a Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) de atitudes irresponsáveis por promover Kelvin Pires, ‘Djack’, em trocas de favores do empresário do jovem jogador, Adilson da Cruz.



A convite de Adilson da Cruz, o selecionador nacional Pedro Brito, Bubista, o seu adjunto, Humberto Bettencourt, e o treinador do Mindelense, Rui Leite, viajaram para a Eslováquia para participar em um estágio com os técnicos do FK AS Trenčín, clube onde milita o jovem promessa, com o objectivo de conhecer a filosofia de treinos, o plano de jogos e o sistema de formação praticado pelo clube.

“Agora sim já está explicado a entrada do Kelvin Pires, que é jogador do empresário Adilson da Cruz quem convidou os treinadores para formação em Eslováquia. O jogador, que contra Nigéria esteve muito mal e que custou-nos o apuramento para o mundial.”, escreveu Caloichi no facebook.

Com Cabo Verde a vencer o jogo da segunda jornada de qualificação africana ao mundial contra a Nigéria, disputado no Estádio Adérito Sena, Mindelo, São Vicente, por 1-0, Djack, que foi promovido a titular por Bubista teve um lance infeliz que originou no golo do empate da Nigéria.

Nigéria viria a marcar o 2-1 depois de um erro individual de Kenny Rocha. Um atraso que acabou por trair o guarda-redes Vozinha, resultando em auto-golo.

Recorde-se, que para o jogo Bubista não tinha a opção de utilizar Stopira ou Helder Tavares.  Os dois jogadores testaram positivos para Covid-19 e não puderam dar os seus contributos.

Para o ex-internacional, que teve uma grande carreira a nível de clubes e de seleção, a FCF e a equipa técnica voluntariamente tentaram promover o jovem jogador.

“Os dirigentes da FCF e a equipa técnica quiseram promover e valorizar o jogador e o país mais uma vez saiu a perder com atitudes irresponsáveis. Mais um mundial de fora. Mais um trabalho dos verdadeiros guerreiros, que são os jogadores e o demonstraram até ao final, deitado fora. “, continuou Caloichi, questionando, “Por favor FCF, mais quando apuramentos para mundiais vamos ter que sair por atitudes irresponsáveis?”

Cabo Verde terminou o grupo C no segundo lugar com 11 pontos, menos 2 que o primeiro classificado, Nigéria, que qualificou-se, juntamente com o primeiro classificado dos restantes grupos, para o play-off, num total de dez selecções.

O CrioloSports contactou a FCF. Prometemos trazer a resposta de quem é de direito.

ADP
CrioloSports


Print   Email